Acompanhe:

Custo da descarbonização da indústria brasileira será de R$ 40 bilhões até 2050, aponta CNI

Para a entidade, a indústria depende de condições econômicas e políticas claras que viabilizem atração de investimentos em inovação

Modo escuro

Continua após a publicidade
Alumínio: setor é um dos exemplos de potencial de mitigação dos GEE (Getty Images/Getty Images)

Alumínio: setor é um dos exemplos de potencial de mitigação dos GEE (Getty Images/Getty Images)

Seriam necessários R$ 40 bilhões até 2050 para a descarbonização da indústria brasileira, aponta o estudo produzido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgado nesta segunda-feira, 4, em Dubai, durante a COP28.

Segundo a pesquisa “Oportunidades e riscos da descarbonização da indústria brasileira”, existe a possibilidade de o Brasil atingir a neutralidade climática até 2050 por meio da adoção do mercado de carbono.

Produção limpa

No entanto, aponta a CNI, a transição da indústria nacional para uma economia de baixo carbono traz desafios. Entre eles, aponta a confederação, o alto custo de capital no Brasil que, combinado com ao Custo-Brasil, encarece os investimentos em novas tecnologias e processos de produção mais limpos.

A CNI explica chegou ao valor de R$ 40 bilhões tendo como ponto de partida a revisão de estudos produzidos nos últimos anos no país e a partir de consultas a especialistas dos segmentos industriais. No entanto, alguns setores não levaram em consideração no cálculo os valores de investimentos indiretos para aumentar a oferta de energia renovável e alternativas, como portos, estradas e telecomunicações. Com isso, o valor a que chegou agora tende a ser bem superior.

“Com as condições adequadas, a indústria brasileira pode se tornar um ator significativo na economia global de baixo carbono. Para tanto, são necessárias condições econômicas e políticas claras e estáveis para que possamos atrair investimentos e impulsionar inovação em tecnologias”, disse por meio de nota o presidente da CNI, Ricardo Alban.

Ainda de acordo com a entidade, a maior parte dos setores estudados tem potencial de mitigação das suas emissões de gases de efeito estufa (GEE) nos médio e longo prazos. Entre os destaques estão os segmentos de cimento, siderurgia, alumínio e florestas plantadas.

No caso do cimento e da siderurgia, principais consumidores de energia, aponta a CNI, seus processos produtivos, podem reduzir, até 2050, 499 milhões de toneladas de CO2.

Projeções

A CNI traçou três cenário para entender se o Brasil atingirá as metas acordadas pelo governo federal, anunciada em setembro, em que se compromete a reduzir as emissões de GEE em 48% até 2025 e em 53% até 2030, como previsto na época do Acordo de Paris.

A simulação da CNI também procurou entender se a precificação do carbono poderá ter algum impacto nesses compromissos. Veja abaixo:

  1. Cenário referência: em que as metas assumidas, hoje, pelo Brasil são mantidas, sem a implementação de uma política de precificação de carbono. Nessa situação, no entanto, é considerado o mecanismo de ajuste de fronteira de carbono europeu (CBAM, em inglês), o imposto criado pela União Europeia para precificar as emissões dos produtos que são importados pelos países membros.
  2. Cenário 1: em que o Brasil adota uma política de precificação de carbono por meio de uma taxa de carbono. As receitas vindas do pagamento dessa taxa pelos agentes econômicos vão para o orçamento da União. Nessa situação, também é incluído o CBAM europeu.
  3. Cenário 2: em que há o mercado de carbono e é feita a reciclagem de receitas. O CBAM europeu é levado em consideração.

Os resultados, de acordo com a CNI, foram os seguintes:

  1. Cenário referência: as emissões chegam a 1,2Gt CO², atendendo à meta da NDC brasileira. Sem aumento de ambição, entre 2030 e 2050, as emissões permanecem no mesmo patamar e o país não alcança a neutralidade climática.
  2. Cenário 1: as emissões chegariam a 1,0Gt CO² em 2030 e seriam neutras em 2050 (emissões líquidas zero). No entanto, segundo a CNI, seria necessário aumentar a taxa de carbono para incentivar a adoção de mais medidas de mitigação pelos setores taxados e, dessa forma, alcançar as metas prometidas pelo Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCC).
  3. Cenário 2: além de atingir a NDC em 2025 e 2030 e a neutralidade climática em 2050 (como no cenário 1), há a projeção de crescimento do PIB em relação ao cenário referência, chegando a R$ 9,66 trilhões em 2030 (+1%) e R$ 14,13 trilhões em 2050 (+1,8%).

Mercado de carbono

Como conclui o estudo, por meio do mercado de carbono é possível chegar à neutralidade climática em 2050 e ainda aumentar o nível de atividade econômica do país, reduzindo a taxa de desemprego.

“Uma política de precificação de carbono adequada ao país, que use as receitas para reduzir distorções da economia brasileira e incentive a criação de empregos parece estar entre as melhores alternativas para o Brasil cumprir o Acordo de Paris, sem prejuízo ao crescimento econômico e social”, explica por meio de nota o diretor de Relações Institucionais, Roberto Muniz.

Veja também mais notícias sobre a COP28

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Conta para conter urgência climática passa dos bilhões para trilhões de dólares
ESG

Conta para conter urgência climática passa dos bilhões para trilhões de dólares

Há uma semana

Brasil, Azerbaijão e Emirados anunciam aliança de presidências da COP
ESG

Brasil, Azerbaijão e Emirados anunciam aliança de presidências da COP

Há 2 semanas

Ex-dirigente de empresa petrolífera do Azerbaijão presidirá COP29 em Baku
ESG

Ex-dirigente de empresa petrolífera do Azerbaijão presidirá COP29 em Baku

Há 2 meses

Ambipar e Pacto Global da ONU no Brasil fecham acordo de naming rights para a Ambição 2030
ESG

Ambipar e Pacto Global da ONU no Brasil fecham acordo de naming rights para a Ambição 2030

Há 2 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais