ESG

Chile e Brasil inauguram usinas termossolar e eólica gigante no mesmo dia

Enel inicia operação da maior usina eólica da América do Sul, com mais de 230 geradores. No Chile, tecnologia que combina sol e calor é usada pela primeira vez

Maior usina eólica da América do Sul, a Lagoa dos ventos se estende por uma área de 120 km. Seus 230 geradores geram energia para 1,6 milhão de casas (Enel/Divulgação)

Maior usina eólica da América do Sul, a Lagoa dos ventos se estende por uma área de 120 km. Seus 230 geradores geram energia para 1,6 milhão de casas (Enel/Divulgação)

RC

Rodrigo Caetano

Publicado em 11 de junho de 2021 às 11h13.

Última atualização em 11 de junho de 2021 às 11h50.

O setor de energias renováveis teve um dia agitado nessa quinta-feira, 10. No Brasil, a Enel, empresa de energia, inaugurou a maior usina eólica da América do Sul, o maior projeto da companhia italiana no mundo. Com 716 MW de capacidade instalada, a usina Lago dos Ventos se estende por uma área de 120 km, onde se encontram 230 geradores.

A Exame Academy lançou um curso sobre ESG -- práticas ambientais, sociais e de governança. Conheça agora

No Chile, outro grande projeto de energia limpa entrou em operação. Trata-se da primeira usina termossolar da América Latina, uma tecnologia que combina um sistema de geração fotovoltaica tradicional com o inovador sistema solar térmico. Uma torre de 250 metros localizada no centro de uma fazenda de painéis solares é responsável por captar a radiação solar que aquece um receptor, a 560 graus Celsius, responsável por transferir calor para uma turbina a vapor que gera eletricidade.

“É uma usina que está na fronteira do conhecimento e da tecnologia”, afirmou o presidente do Chile, Sebastián Piñera. “Não há uma tecnologia melhor que esta”.

A usina aproveita as condições do deserto do Atacama, o de maior radiação solar do mundo. Juntamente com a torre de calor, que é a segunda construção mais alta do país, quase 400 mil painéis solares geram uma capacidade instalada de 210 MW.

Saída para a crise está nas energias renováveis

Para o presidente da Enel no Brasil, Nicola Cotugno, as energias renováveis são a resposta para a atual crise energética gerada pela falta de chuvas. Com mais de 60% da matriz elétrica composta por usinas hidrelétricas, o país sofre toda vez que o nível dos reservatórios baixa.

“Nenhum outro país no mundo tem a disponibilidade de sol e vento que o Brasil tem”, afirma Cotugno. “Não precisamos de gasoduto, nem comprar combustíveis de outros países, se temos sol e vento abundantes.”

O projeto Lagoa dos Ventos consumiu investimentos da ordem de 3 bilhões de reais. Foram dois anos de construção. Seus mais de 700 MW de capacidade são suficientes para gerar 3,3 TW de energia por ano, o suficiente para abastecer 1,6 milhão de residências, além de evitar a emissão de 1,9 milhão de toneladas de carbono na atmosfera.

“O futuro não é fóssil”, afirma Cotugno. “Seria um erro conectar a crise hídrica atual com o direcionamento da política energética do país. Há um caminho traçado e é pelas renováveis.”

Além do avanço das renováveis, a transição para a economia de baixo carbono afeta também os transportes. Saiba mais no podcast ESG de A a Z:

Acompanhe tudo sobre:ChileEnelEnergia eólicaEnergia renovável

Mais de ESG

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2729; prêmio é de R$ 47 milhões

As despesas médicas que podem ser deduzidas na declaração do Imposto de Renda

Auxílio Reconstrução de R$ 5,1 mil: moradores do RS devem confirmar dados a partir de segunda-feira

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Mais na Exame