ESG

Assédio moral, agressão e abuso de poder representam 41% das denúncias no trabalho em 2023

De acordo com a pesquisa Estudo 2023 – Canal de Denúncias da IAUDIT Tecnologias outros desvios de conduta, assuntos ligados às áreas de Recursos Humanos e casos de acidente de trabalho também estão entre os assuntos mais denunciados

Denúncias: os portais da companhia, como sites, são os meios mais utilizados para denunciar abusos e desvios de conduta de funcionários, afirma pesquisa (Getty Images/Getty Images)

Denúncias: os portais da companhia, como sites, são os meios mais utilizados para denunciar abusos e desvios de conduta de funcionários, afirma pesquisa (Getty Images/Getty Images)

Fernanda Bastos
Fernanda Bastos

Repórter de ESG

Publicado em 1 de fevereiro de 2024 às 08h11.

Os casos de assédio moral, abuso de poder, agressão física e desvios de comportamento no ambiente corporativo foram relatados por 41,64% dos entrevistados no Estudo 2023 – Canal de Denúncias da IAUDIT Tecnologias, companhia especializada em auditoria, canais de denúncias e compliance. Apesar do alto índice, há uma diminuição em comparação com 2022, quando era 48,25%. 

No ano passado, outros desvios de conduta – além de reclamações e assuntos de RH – estavam entre a segunda classe de denúncias feitas, com 34,65% dos casos. Já em terceiro lugar, com 5,85% estavam as denúncias sobre saúde e segurança do trabalho, acidentes não reportados e acidentes pessoais. 

“Os resultados oferecem percepções para as empresas aprimorarem os meios de comunicação de irregularidades e reforçarem as políticas de ética e conformidade, além de assegurar um ambiente de trabalho seguro e ético”, afirma Rodolpho Takahashi, CEO do Grupo IAUDIT. 

Sobre quem são as denúncias? 

Segundo a pesquisa, 46% dos denunciantes dizem, especificamente, quem é o funcionário que está denunciando. Sendo 37,61% dos denunciados, líderes, fiscais e encarregados. Já 32,90% são supervisores e coordenadores; e 16,84% administradores, gerentes, executivos e chefes. “Esta análise é essencial para que as organizações compreendam as áreas que requerem maior atenção e desenvolvimento”, diz o estudo. 

O levantamento ainda diz que houve uma queda do tempo médio de apuração das denúncias, partindo de um limite de 44 dias em 2022 para até 29 dias no ano passado. Além disso, 79,25% dos canais de denúncia analisados permitem uma denúncia anônima

Quais são os canais de denúncias disponíveis 

Dentre as possibilidades para denunciar estão a ligação no 0800, denúncias no site ou portal, por e-mail ou outros. Em 2022, 54,6% denunciavam pelo site e o número aumentou para 58,4% em 2023 como canal mais utilizado para relatar denúncias. 

As denúncias por setores

De acordo com o estudo, os setores com mais denúncias de assédio moral, abuso de poder e agressão física são: comércio e serviços (49,29%), T.I (46,51%), saúde (41,78%) e comércio e serviços (52,83%). Já para outros desvios de conduta, as áreas com mais denúncias são, respectivamente: instituições financeiras (84,13%), saúde (46,08%) e outros setores (28,57%). 

Sobre assédio sexual, os setores que mais tiveram denúncias feitas são: outros (14,29%), setor industrial (5,54%) e setor de T.I (4,65%). 

Metodologia

A pesquisa foi realizada a partir da apuração pnline dos dados de denúncias dos clientes da IAUDIT em uma amostragem de mais de 5 mil denúncias. 

Acompanhe tudo sobre:abuso-sexualEmpresas

Mais de ESG

Cacique da Amazônia pede ajuda para combater a biopirataria e critica falta de ação

Mestrado em Comunicação na FGV tem bolsas integrais para profissionais do terceiro setor

Material reciclado e objetos de segunda mão: como nasceu o castelo europeu de 5 andares

Fórum global de favela desafia a lógica e valoriza a diversidade

Mais na Exame