Acompanhe:

Depois de um período de hiperinflação que se aproximou de cerca de 2.000.000% ao ano, a Venezuela registrou em janeiro o menor aumento dos preços ao consumidor em mais de uma década.

A inflação mensal ficou em 1,7%, a mais baixa para o mês desde 2012. Uma das razões foi o drástico corte nos gastos do governo e pela oferta adicional de dólares da Chevron, petroleira americana que voltou a atuar no país, valorizando a moeda local.

A façanha marca o décimo primeiro mês consecutivo de inflação de um dígito e o menor salto nos preços desde março de 2022.

O Presidente Nicolás Maduro tem se esforçado para conter os preços desde que domou a hiperinflação em 2022 aderindo a uma estratégia que combina restrições monetárias e fiscais rigorosas, ao mesmo tempo em que permite o livre fluxo do dólares, incentivando a oferta de moeda estrangeira.

A estratégia marcou uma reviravolta acentuada nas políticas econômicas mal-sucedidas que levaram o país a amargar uma profunda crise econômica por sete anos, com um dos mais longos surtos hiperinflacionários do mundo.

— Em 2024, a Venezuela terá uma inflação anual de dois dígitos — prometeu Maduro em discurso à nação no mês passado.

As vendas de dólares quase dobraram em dezembro em comparação com o ano anterior, disse Jesús Palacios, economista sênior da consultoria financeira Ecoanalitica, com sede em Caracas. Ao mesmo tempo, o governo tem restringido as despesas mais que o esperado, acrescentou.

O aumento nas vendas de dólares foi liderado pela Chevron, agora um dos principais fornecedores no mercado cambial local, depois de uma licença dos EUA ter viabilizado a ampliação de suas operações na Venezuela sem violar os embargos americanos, apontaram Ruth de Krivoy e Tamara Herrera num relatório da Sintesis Financiera. Isso levou o bolívar a se fortalecer 2,4% em janeiro.

As eleições presidenciais marcadas para este ano vão testar a disposição do governo de Maduro de manter a disciplina monetária e fiscal, disse Henkel García, diretor da empresa de consultoria venezuelana Albus Data. A administração de Maduro limitou o crédito e manteve o salário mínimo baixo para evitar a impressão desenfreada de dinheiro que alimentava a inflação.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Guiana compra navio-patrulha de R$ 212 mi em meio à disputa com Venezuela
Mundo

Guiana compra navio-patrulha de R$ 212 mi em meio à disputa com Venezuela

Há 14 horas

Presidente do Eurogrupo diz que inflação está desacelerando rapidamente na zona do euro
Economia

Presidente do Eurogrupo diz que inflação está desacelerando rapidamente na zona do euro

Há 15 horas

Lula discutirá crise entre México e Equador em encontro com presidente da Colômbia
Brasil

Lula discutirá crise entre México e Equador em encontro com presidente da Colômbia

Há 16 horas

BC da Argentina corta juros de 80% para 70% e cita 'pronunciada desaceleração' da inflação
Economia

BC da Argentina corta juros de 80% para 70% e cita 'pronunciada desaceleração' da inflação

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais