Economia

Setor de serviços no Brasil cai 1,6% de março para abril

O recuo veio depois de altas em fevereiro e março, período no qual o setor acumulou ganho de 2,1%. O dado é da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS)

Bar e restaurante (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Bar e restaurante (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Agência Brasil
Agência Brasil

Agência de notícias

Publicado em 15 de junho de 2023 às 11h41.

O setor de serviços no país teve queda de 1,6% em abril deste ano, na comparação com março. O recuo veio depois de altas em fevereiro e março, período no qual o setor acumulou ganho de 2,1%. O dado é da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta quinta-feira, 15, no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Nos outros tipos de comparação, no entanto, os serviços apresentaram crescimento: 2,7% em relação a abril de 2022, 4,8% no acumulado do ano e 6,8% no acumulado de 12 meses.

A perda de 1,6% do setor na passagem de março para abril foi puxada por quatro das cinco atividades pesquisadas pelo IBGE, com destaque para o setor de transportes (-4,4%). Em fevereiro e março, o segmento havia acumulado alta de 7,5%. Em abril, houve recuo de 3,4% e de 1,4% no setor de transporte cargas e de passageiros.

Impacto negativo

“Vários segmentos de serviços dentro desse setor acabaram por gerar um impacto negativo: gestão de portos e terminais, transporte rodoviário de cargas, rodoviário coletivo de passageiros e transporte dutoviário. Esses segmentos tiveram importância no âmbito do volume de serviços, ultrapassando a fronteira do próprio setor”, afirmou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, por meio de nota divulgada pelo IBGE.

Também tiveram diminuição os serviços de informação e comunicação (-1%); profissionais, administrativos e complementares (-0,6%) e outros serviços (-1,1%).

E os serviços prestados às famílias integram o único segmento com alta (1,2%), depois de uma perda acumulada de 2,2% em fevereiro e março.

A receita nominal caiu 0,4% de março para abril, mas cresceu 8% na comparação com abril do ano passado, 10,8% no acumulado do ano e 13,9% no acumulado de 12 meses.

Acompanhe tudo sobre:Serviçoseconomia-brasileira

Mais de Economia

Senado deve votar marco regulatório do hidrogênio verde nesta terça-feira

Governo e Senado acertam ajustes do PL para substituir MP do PIS/Cofins

Após enchentes, Rio Grande do Sul perde 25% da arrecadação no ICMS

FMI prevê contração de 3,5% da economia argentina, mas menor inflação em 2024

Mais na Exame