Preocupação com rating desestimula países pobres a renegociar dívidas

FMI, G20 e Banco Mundial têm proposta de alívio de dívidas de países, mas poucos solicitaram porque estão preocupados com suas classificações de risco

Alguns dos países mais pobres do mundo estão relutantes em buscar alívio da dívida em um programa apoiado pelo Grupo das 20 principais economias, preocupados com a possibilidade de prejudicar suas classificações de crédito e o acesso futuro ao mercado, disse a chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI).

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse à Reuters que não está pressionando os países a buscar a suspensão dos pagamentos da dívida dos credores bilaterais oficiais, mas quer que eles tenham a opção de liberar fundos para combater a nova pandemia de coronavírus.

Em abril, o G20 apoiou a proposta de alívio da dívida defendida por Georgieva e pelo presidente do Banco Mundial, David Malpass, e um grupo de credores privados recomenda que seus membros participem, mas o interesse tem sido morno.

Dos 77 países elegíveis para esse alívio da dívida, apenas 22 o solicitaram até agora, disse um porta-voz do FMI.

O Clube de Paris disse nesta segunda-feira que concordou em suspender os pagamentos do serviço da dívida do Mali e da ilha caribenha de Dominica como parte do acordo de alívio da dívida do G20, os dois primeiros países a se beneficiarem.

O programa visa aliviar o impacto econômico da pandemia nos países mais pobres do mundo, muitos dos quais carecem de um bom sistema de saúde e têm altos níveis de dívida.

No entanto, os termos do alívio da dívida do G20 também limitam o valor da dívida sob condições facilitadas que os países podem contrair durante o período de suspensão, restringindo potencialmente o acesso ao mercado de capitais.

Gestores de recursos de mercados emergentes que trabalham com países africanos altamente endividados argumentaram que o alívio geral da dívida por credores privados colocaria em risco o acesso dos países africanos ao capital.

Georgieva disse que os líderes de alguns países elegíveis escreveram para ela expressando preocupações, mas não mencionou nenhum. Ela disse que a participação é uma decisão soberana dos países.

“Na verdade, eu não exortaria os países a participar de iniciativas de alívio da dívida se eles acham que é do seu interesse não participar”, disse ela à Reuters em entrevista.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE