Economia

Preços dos alimentos devem ter queda em 2024

Segundo empresa de análise econômica, valores devem cair cerca de 5,6% neste ano, puxados por quedas nos preços do milho e do trigo

Preços do milho e do trigo devem cair, influenciando o peso no bolso do consumidor (Cassiano Rosario/Getty Images)

Preços do milho e do trigo devem cair, influenciando o peso no bolso do consumidor (Cassiano Rosario/Getty Images)

Publicado em 23 de abril de 2024 às 06h09.

De acordo com um relatório publicado pela Oxford Economics, os preços globais de alimentos devem cair em 2024. Segundo a firma de análise econômica, a previsão é de que o preço das commodities caia, reduzindo o valor do varejo de alimentos para o consumidor.

O principal motivo para a queda nos preços é a oferta abundante proveniente de algumas colheitas, a exemplo do trigo e do milho. A produção de ambos esses cereais foi aumentada após a subida nos preços com o começo da guerra entre Rússia e Ucrânia, em 2022.

Assim, conforme informações da Oxford Economics, as colheitas de milho devem bater recordes. Já as de trigo também devem ser abundantes, embora não devam ultrapassar as colheitas registradas entre 2022 e 2023.

Ainda de acordo com dados da empresa, as afluentes exportações de trigo por parte da Rússia têm mantido os preços baixos no mercado internacional.

Segundo o relatório, o fato de que, junto com o arroz, o trigo e o milho representam mais da metade das calorias ingeridas globalmente faz com que seus preços influenciem criticamente os orçamentos disponíveis para a compra de alimentos pelo planeta.

Informações do Banco Mundial apontam que os preços globais de alimentos registraram uma queda de 9% em 2023. Conforme afirma o economista da Oxford Economics, Kiran Ahmed, espera-se que esses valores caiam mais 5,6% neste ano.

Com informações da CNBC.

Acompanhe tudo sobre:AlimentosRússiaUcrânia

Mais de Economia

Após pedido do governo, Zanin suspende liminar que reonera a folha de pagamentos por 60 dias

Haddad: governo anuncia na próxima semana medidas sobre impacto e compensação da desoneração

Fiergs pede ao governo Lula flexibilização trabalhista e novas linhas de crédito ao RS

É possível investir no exterior morando no Brasil?

Mais na Exame