• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

"Podemos atuar mais forte no câmbio, se for necessário", diz Campos Neto

Segundo o presidente do Banco Central, os países podem se fechar, o que levaria a um crescimento menor da atividade econômica mundial a longo prazo
Roberto Campos Neto: "Não tem como apertar mais capital, acho que isso é coisa que vai mudar" (Reuters/Adriano Machado)
Roberto Campos Neto: "Não tem como apertar mais capital, acho que isso é coisa que vai mudar" (Reuters/Adriano Machado)
Por Natália Flach, com ReutersPublicado em 08/04/2020 11:38 | Última atualização em 08/04/2020 12:38Tempo de Leitura: 3 min de leitura

As incertezas provocadas pela pandemia de coronavírus levaram a uma fuga de capital. A saída de dinheiro de países emergentes - grupo do qual o Brasil faz parte - já é 10 vezes maior do que a da crise financeira de 2008, segundo o presidente do Banco Central, Roberto Campos Azevedo. Esse cenário ajuda a tornar o dólar americano mais apreciado contra as demais moedas, como o real. Por volta das 12h25, o dólar comercial era negociado a 5,17 reais, queda de 1%. "Podemos atuar mais forte no câmbio do que já fizemos, se for necessário", afirma o executivo, em transmissão pela internet nesta quarta-feira, promovida pelo Credit Suisse. "Estamos preparados, as reservas [internacionais] são grandes", diz.

Para Campos Neto, a atual crise tende a levar os países a adotar medidas protecionistas. "A situação geopolítica pode ser diferente daquela que tínhamos no passado, e isso pode trazer certa preocupação." Parte do mundo questiona por que a produção de bens e utensílios médicos está concentrada em alguns países. Cerca de 80% de alguns sais que são usados em medicamentos são produzidos na Índia, por exemplo. Isso aconteceu, porque houve uma especialização das cadeias globais, o que acabou tirando milhões de pessoas da pobreza. "Mas a cadeia de valor pode ficar diferente daqui para frente. Se os países desenvolvidos voltarem a produzir itens que tinham parado, a expectativa é de que o crescimento estrutural do mundo seja menor por um tempo maior, porque as economias devem se fechar mais", acrescenta.

Liquidez

Roberto Campos Neto também avaliou nesta quarta-feira que a liquidez que já foi injetada na economia por meio das medidas do governo para combater efeitos econômicos do coronavírus é suficiente, mas que a autoridade monetária tem mais iniciativas na manga caso seja necessário.

"Estamos sempre olhando para ver o que precisa fazer", afirmou, durante evento virtual promovido pelo banco Credit Suisse.

Sobre o programa de financiamento da folha de pagamento de pequenas e médias empresas, Campos Neto disse que a opção por compartilhar riscos com o setor financeiro - responsável por uma parcela do financiamento - se deu porque o governo não sabe recuperar crédito e essa foi uma forma de criar um incentivo para que os bancos tivessem interesse na tarefa.

Segundo o presidente do BC, inicialmente o governo pensou em um programa maior, mas entendeu que os 40 bilhões de reais efetivamente destinados ao plano eram adequados. Destes, 34 bilhões de reais serão aportados pelo Tesouro e 6 bilhões de reais, pelos bancos.

 

 

Veja Também