Acompanhe:

Pix é usado por 71% dos brasileiros; aprovação chega a 99% entre jovens

Entre os que têm mais de 60 anos, o percentual de aprovação cai para 65%, de acordo com a quarta edição do Radar Febraban

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Rafael Henrique/SOPA/Getty Images)

(Rafael Henrique/SOPA/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 28 de dezembro de 2021 às, 16h15.

Última atualização em 29 de dezembro de 2021 às, 10h49.

O Pix, sistema de transferências e pagamentos instantâneos do Banco Central, que completou um ano recentemente, já é usado por 71% dos brasileiros. A taxa de aprovação aumentou 9 pontos em 12 meses e chegou a 85%, mostra pesquisa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), divulgada nesta terça-feira. Há um ano, a aprovação era de 76%.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam seu bolso.

Entre os jovens (de 18 a 24 anos), a aprovação do Pix chega a 99%, patamar semelhante à faixa etária seguinte (de 25 a 44 anos), com 96%. Já entre os que têm mais de 60 anos, o percentual de aprovação cai para 65%, de acordo com a quarta edição do Radar Febraban.

A maior resistência para usar o Pix é entre as pessoas de baixa renda e os de menor escolaridade, mas ainda assim em patamares de adesão superiores a 50%. Dos que têm até a escolaridade fundamental, 53% utilizam o Pix, enquanto no grupo de pessoas com renda de até dois salários-mínimos, a taxa de adesão ao sistema do BC é de 64%.

No Pix, para um terço dos entrevistados há uma diferença sobre a percepção de segurança do serviço. Para 32%, o sistema dos bancos é mais seguro do que o oferecido por fintechs. Já outros 32% destacam que o sistema é igualmente seguro nos dois tipos de instituições.

Golpes

Entre os entrevistados, 22% afirmaram já ter sido vítimas de golpes ou tentativa de fraude, patamar semelhante ao levantamento feito em setembro (21%). Já entre os mais velhos, acima de 60 anos, esse percentual sobe para 30%.

Entre os que foram vítimas de tentativas de golpes, 69% afirmaram que nunca caíram na armadilha. O golpe reportado como mais comum pelos entrevistados (48%) foi a tentativa de clonagem do cartão ou troca de cartão.

Já o golpe em que criminosos fazem ligações fazendo se passar pela central de atendimento do banco e pedem dados pelo telefone subiu de 18% em setembro para 28% agora.

Em terceiro lugar, a tentativa de fraude mais comum é via WhatsApp, em que alguém se passa por um conhecido solicitando dinheiro, com 24% dos relatos.

A Febraban quis saber dos entrevistados sobre a confiança nas empresas, bancos e fintechs. Nos bancos, a confiança caiu de 60% em setembro, na edição anterior da pesquisa, para 58%; nas fintechs, houve recuo um pouco maior, de 59% para 56%. Já nas empresas privadas a confiança se manteve em 54%.

A pesquisa da Febraban ouviu 3.000 pessoas acima de 18 anos em todas as regiões do Brasil. As entrevistas foram feitas entre os dias 19 e 27 de novembro e fazem parte da quarta edição do Radar Febraban, divulgado a cada trimestre.

Últimas Notícias

Ver mais
Click to Pay: nova solução quer tornar pagamentos online mais ágeis e seguros
Future of Money

Click to Pay: nova solução quer tornar pagamentos online mais ágeis e seguros

Há 5 dias

Comissão do Senado aprova uso de cartões e Pix para pagamento de pedágio em rodovias federais
Economia

Comissão do Senado aprova uso de cartões e Pix para pagamento de pedágio em rodovias federais

Há uma semana

Veja os 10 setores mais escolhidos por quem abriu micro ou pequena empresa em 2023
Um conteúdo Bússola

Veja os 10 setores mais escolhidos por quem abriu micro ou pequena empresa em 2023

Há uma semana

Bancos digitais, Pix, superapps, Drex: digitalização da economia impacta a população brasileira
Future of Money

Bancos digitais, Pix, superapps, Drex: digitalização da economia impacta a população brasileira

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais