Economia

PIB global deve crescer 2,6% em 2024 e 2,7% em 2025, projeta OMC

Conflitos regionais, as tensões geopolíticas e as incertezas da política representam riscos para o comércio global

PIB global: OMC projeta crescimento de 2,6% em 2024 e 2,7% em 2025 (dowell/Getty Images)

PIB global: OMC projeta crescimento de 2,6% em 2024 e 2,7% em 2025 (dowell/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 10 de abril de 2024 às 11h42.

O comércio mundial de mercadorias deve crescer 2,6% em volume neste ano e 3,3% em 2025, informa a Organização Mundial do Comércio (OMC) em relatório divulgado nesta quarta-feira, 10. A instituição projeta crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) global de 2,6% em 2024 e com leve aceleração, para 2,7%, no ano que vem.

Embora o cenário macroeconômico indique que as pressões inflacionárias vão diminuir neste ano, os conflitos regionais, as tensões geopolíticas e as incertezas da política econômica ainda representam riscos substanciais para as previsões do comércio global e do crescimento do PIB.

Para 2024, a OMC destaca que os rendimentos reais devem voltar a crescer, o que impulsionará o consumo de bens industriais.

A instituição ressalva, no entanto, que os preços de energia mais elevados, associados a uma inflação resiliente, devem conter o volume e também o valor do comércio global. Em 2023, as exportações de mercadorias caíram 5%, para US$ 24 trilhões, segundo o relatório.

Dentre as regiões que mais avançarão no comércio global, a OMC o continente africano, cujas exportações deverão crescer 5,3% em 2024.

Já a América do Sul deve ter alta de 2,7%.

Acompanhe tudo sobre:PIBOMC – Organização Mundial do ComércioExportaçõesComércio

Mais de Economia

Governo abre crédito extraordinário de R$ 12,2 bilhões para o Rio Grande do Sul

Governo avalia usar saldo de Itaipu para isentar contas de luz de consumidores do Rio Grande do Sul

Efeitos das enchentes no RS na economia serão sentidos no PIB e nos preços, diz secretário

Petrobras: novo modelo de venda a distribuidoras deve reduzir preço do gás em até 10%

Mais na Exame