Acompanhe:

Para Armínio Fraga, Brasil está numa encruzilhada

Mesmo com boas perspectivas de crescimento no futuro, o ex-presidente do BC diz que o País registra níveis baixos de investimento, sobretudo público, e o nível de escolaridade precisa melhorar

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

D
Da Redação

Publicado em 15 de outubro de 2013 às, 15h08.

São Paulo - O ex-presidente do BC Armínio Fraga afirmou que o Brasil "está numa encruzilhada", pois tem boas perspectivas de crescimento no futuro, mas possui um sistema de governo forte, registra níveis baixos de investimento, sobretudo público, e o nível de escolaridade precisa melhorar. "Esse modelo de capitalismo de Estado não dá certo", comentou durante palestra em São Paulo. "É preciso um modelo mais pró-mercado, menos pró-empresa, com burocracia menor, mais eficiência e juros mais baixos para todos os empresários", disse. Ele reiterou que seria positivo que as taxas de juros mais baixas cobradas pelo BNDES fossem disseminadas por toda a sociedade, não ficando restritas a um segmento pequeno de empresários.

Armínio Fraga também destacou que para que a taxa Selic caia no Brasil seria fundamental um maior esforço do governo para conter os gastos públicos. "A atuação do Banco Central tem limite. É como se fosse um pescador que tem uma vara e não pode pegar todo peixe. É preciso outros instrumentos", afirmou, num alusão clara a colaboração do esforço fiscal do Estado para reduzir o nível de aquecimento da demanda agregada.

O ex-presidente do BC ressaltou, contudo, que o Brasil tem um cenário positivo à frente e isso pode estar evidenciado pelas posições da presidente Dilma Roussef, que defende um Estado mais produtivo e a meritocracia. "Ela defendeu esse ponto num dos seus primeiros discursos", lembrou. Contudo, ele manifestou-se contrário à cobrança pelo governo do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) na Bolsa de valores e nas operações de derivativos. Fraga é é presidente do Conselho de Administração da BM&F Bovespa. O ex-presidente do BC se mostrou particularmente preocupado com o baixo nível de investimentos no País, que está bem aquém do registrado por Indonésia, Índia e China.

Fraga também criticou o fato de que o governo, especialmente através de bancos públicos, estimula o nível de atividade no País, enquanto utiliza o BC para contê-lo. "É uma política esquisita, pois um pé está no acelerador e outro no freio", disse. Ele reiterou que seria oportuno que a meta de inflação no País baixasse nos próximos anos e ficasse no mesmo patamar de outros emergentes, como Chile e México.

Últimas Notícias

Ver mais
Blinken diz que Argentina 'pode contar' com EUA para estabilizar sua economia
Economia

Blinken diz que Argentina 'pode contar' com EUA para estabilizar sua economia

Há uma semana

Manifestações na Argentina reivindicam assistência alimentar
Mundo

Manifestações na Argentina reivindicam assistência alimentar

Há uma semana

Fundos exclusivos de previdência deixarão de existir? Entenda as novas regras
seloMinhas Finanças

Fundos exclusivos de previdência deixarão de existir? Entenda as novas regras

Há uma semana

Fazenda trabalha com 'PIB potencial' entre 2% e 2,5%, diz secretário de Política Econômica
Economia

Fazenda trabalha com 'PIB potencial' entre 2% e 2,5%, diz secretário de Política Econômica

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais