País registra déficit de US$ 3,1 bi em conta corrente

No mês, a balança comercial registrou superávit de US$ 2,355 bilhões, segundo dados do Banco Central

Brasília – O Brasil teve em outubro déficit de US$ 3,109 bilhões nas contas correntes, segundo dados divulgados hoje pelo Banco Central (BC). No mês, a balança comercial registrou superávit de US$ 2,355 bilhões, enquanto a conta de serviços revelou um déficit de US$ 3,418 bilhões, e a de rendas ficou negativa em US$ 2,302 bilhões. As transferências unilaterais registraram um saldo líquido de US$ 256 milhões.

O déficit de US$ 3,109 bilhões de outubro ficou dentro do esperado pelos economistas consultados pela Agência Estado, que previam déficit em conta de US$ 2,9 bilhões a US$ 4,5 bilhões, com mediana negativa de negativa de US$ 3,5 bilhões.

No ano até o mês passado, o déficit em conta corrente está deficitário em US$ 39,092 bilhões, o que equivale a 1,94% do Produto Interno Bruto (PIB). De janeiro a outubro, a balança comercial teve superávit de US$ 25,389 bilhões; a conta de serviços registrou déficit de US$ 31,255 bilhões; e as transferências unilaterais apresentaram saldo positivo de US$ 2,451 bilhões. Em 12 meses, o saldo de transações correntes ficou negativo em US$ 47,327 bilhões, o equivalente a 2,00% do PIB.

Investimento estrangeiro

O Investimento Estrangeiro Direto (IED) somou US$ 5,550 bilhões em outubro. O valor é menor do que os US$ 6,326 bilhões registrados em setembro e os US$

6,788 bilhões observados em outubro de 2010. Ainda assim, o valor supera levemente o teto das estimativas dos economistas consultados pela Agência Estado, que previam IED de US$ 4,000 bilhões a US$ 5,500 bilhões, com mediana de US$ 4,450 bilhões.

No acumulado do ano até outubro, o IED soma US$ 56,001 bilhões, o equivalente a 2,78% do PIB. Em igual período de 2010, o ingresso de investimento produtivo era de US$ 29,345 bilhões, o correspondente a 1,69% do PIB. No acumulado em 12 meses até outubro, o IED atingiu US$ 75,094 bilhões, o correspondente a 3,17% do PIB.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.