Acompanhe:

OIT publica novo relatório sobre o impacto da pandemia nos empregos

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, o equivalente a 135 milhões de empregos foram perdidos no primeiro trimestre -- mas o pior está por vir

Modo escuro

Continua após a publicidade
JOVENS BUSCAM VAGAS EM LONDRES: um de cada seis jovens no mundo perdeu o emprego durante a pandemia (Luke MacGregor/Reuters)

JOVENS BUSCAM VAGAS EM LONDRES: um de cada seis jovens no mundo perdeu o emprego durante a pandemia (Luke MacGregor/Reuters)

E
EXAME Hoje

Publicado em 30 de junho de 2020 às, 06h51.

Última atualização em 30 de junho de 2020 às, 08h29.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulga na manhã desta terça-feira o seu quinto relatório sobre a situação do mercado de trabalho no mundo durante a pandemia do novo coronavírus.

A divulgação ocorre um dia antes da abertura da Cúpula Global da entidade, uma série de eventos online que deve reunir líderes mundiais e representantes de entidades internacionais entre os dias 1 e 9 de julho para debater ações para reativar o mercado de trabalho.

A expectativa é que a agência, ligada às Nações Unidas, mostre como o emprego tem se comportado num momento em que os países europeus gradualmente passaram a retomar as suas atividades, após meses de quarentena, ao mesmo tempo em que a doença continuou avançando na América Latina e voltou a ganhar força nos Estados Unidos.

Este já é quinto relatório preparado pela OIT durante a pandemia. No documento anterior, publicado no fim de maio, a agência chamou a atenção para os efeitos da crise sobre os trabalhadores mais jovens. Um de cada seis jovens no mundo perdeu o emprego durante a pandemia, e aqueles que continuaram trabalhando tiveram uma redução, em média, de 23% do rendimento. Entre os jovens, as mulheres são as mais prejudicadas.

A pandemia também atrasa a formação e o desenvolvimento dos estudantes que ficaram sem aulas ou tiveram que migrar para o ensino online. A agência estima que um em cada dez estudantes no mundo não conseguirão completar os seus estudos. “Se não tomarmos medidas significativas e imediatas para melhorar a situação dos jovens, o prejuízo causado pelo vírus estará conosco por décadas”, disse à época Guy Ryder, diretor-geral da OIT.

A OIT estima que no primeiro trimestre a pandemia tenha causado uma redução de 4,8% na quantidade de horas trabalhadas no mundo por causa da perda de postos de trabalho e das medidas de quarentena. A redução equivale a uma perda de 135 milhões de empregos. Para o segundo trimestre, a agência estimava em maio uma retração ainda maior, de 10,7%, o equivalente a 305 milhões de postos de trabalho no mundo.
Com a divulgação do relatório desta terça-feira, será possível conhecer as novas estimativas da agência para o segundo trimestre e o restante ano. Certamente, o quadro não é dos melhores.

Últimas Notícias

Ver mais
Com renúncia do primeiro-ministro, qual será o futuro do Haiti?
Mundo

Com renúncia do primeiro-ministro, qual será o futuro do Haiti?

Há um mês

Após payroll, Biden celebra 'grande retomada americana' no emprego
Mundo

Após payroll, Biden celebra 'grande retomada americana' no emprego

Há um mês

Powell prevê que mais bancos vão quebrar nos EUA em meio a problemas no setor imobiliário
Economia

Powell prevê que mais bancos vão quebrar nos EUA em meio a problemas no setor imobiliário

Há um mês

Powell minimiza risco de recessão nos EUA no curto prazo e espera crescimento 'sólido'
seloMercados

Powell minimiza risco de recessão nos EUA no curto prazo e espera crescimento 'sólido'

Há um mês

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais