O dinheiro vivo não está saindo de moda, diz estudo

"Na maioria dos países, a demanda por notas e moedas é forte e não demonstra sinais de desaceleração", dizem pesquisadores do Fed de São Francisco

São Paulo - Com o valor do bitcoin em alta e uma proliferação de diferentes meios de pagamento, pode parecer que cédulas e moedas caminham rapidamente para a irrelevância.

Mas não é o que mostra um estudo recente de John Williams, presidente-executivo da divisão de São Francisco do Federal Reserve, e Claire Wang, analista do banco para dados e políticas sobre dinheiro.

Eles verificaram que entre 42 economias que respondem por 75% do PIB mundial, praticamente todas viram o total de dinheiro em circulação crescer em ritmo mais rápido do que a economia como um todo no período entre 2006 e 2014.

"Apesar da profusão de opções digitais, na maioria dos países, a demanda por notas e moedas é forte e não demonstra sinais de desaceleração", diz o texto publicado no blog do Fed.

O dinheiro em circulação cresceu em um ritmo mais de 2 vezes maior do que o PIB em países tão diferentes como México, Chile, Colômbia, Iraque, Israel, Turquia e Coreia do Sul.

Entre os possíveis motivos apontados pelos pesquisadores estão os juros baixos, que diminuem o incentivo para manter dinheiro no banco, e o aumento da incerteza após a crise financeira de 2008.

O Brasil é um dos países onde o dinheiro vivo menos ganhou importância no período. Enquanto a economia brasileira cresceu 160%, o dinheiro em circulação cresceu 170% - uma diferença de apenas 10 pontos percentuais.

Dinamarca, Rússia, Austrália, Nova Zelândia e Japão também tem números mais baixos e próximos do brasileiro na medida de crescimento do dinheiro em relação à economia.

Suécia

A grande exceção apontada pelo estudo é a Suécia, onde de fato o dinheiro vivo está perdendo importância rapidamente. Há  cálculos de que a circulação caiu entre 40% e 50% nos últimos seis anos.

“A Suécia pode se tornar, em um futuro não tão distante, uma sociedade em que não é mais possível pagar em dinheiro. Esse desenvolvimento é único em uma perspectiva internacional", diz um comunicado recente do banco central sueco, que está estudando a criação de uma moeda digital.

O país tem um histórico de inovação financeira: foi o primeiro a emitir papel moeda (em 1660) e a ter caixas eletrônicos (em 1967, dois anos antes dos Estados Unidos, segundo a Fast Company).

O estudo do Fed não traz dados sobre a Alemanha, exceção na Europa em seu apego ao dinheiro vivo, ou sobre a China, onde os novos meios de pagamento tem se popularizado rapidamente.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.