Planos de saúde perdem 3,4 milhões de usuários em cinco anos

Em 2019, o setor fechou com 47,03 milhões de beneficiários contra 47,1 milhões em 2018

Rio - Os plano de saúde no Brasil perderam 3,4 milhões de usuários em cinco anos, segundo um balanço divulgado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Em 2019, o setor fechou com 47,03 milhões de beneficiários contra 47,1 milhões em 2018, de acordo com dados da ANS. Percentualmente, uma queda de 0,1%.

Em dezembro de 2014, foi alcançado o pico do número de brasileiros que tinham algum plano de assistência no país: 50.531.748

Embora o número total de clientes tenha registrado queda, as modalidades de planos coletivos por adesão e empresariais registraram alta, encerrando o ano com 6.157.319 e 31.754.560, respectivamente.

A queda, no entanto, foi referente aos planos individuais. A modalidade, que tem regras mais rígidas para assegurar os beneficiários, encerrou o ano com 9.033.912, ante 9.112.501 em 2018.

Para a advogada Renata Vilhena Silva, especializada em direito à saúde do escritório Vilhena Silva Advogados, o número de usuários nos planos coletivos segue crescendo, porque as operadoras deixaram de comercializar os planos individuais. Ela lembra que a falta de regulamentação nos contratos coletivos por adesão ou empresariais permanece como principal.

"A queda no número de usuários reflete a situação econômica do país. A recuperação dependerá do aquecimento no mercado de trabalho. Desde 2014, mais de três milhões de pessoas deixaram de contribuir com o sistema privado também por causa dos reajustes excessivos das mensalidades", avaliou Renata.

Segundo a ANS, houve aumento na quantidade de beneficiários em planos de assistência médica em 11 estados, sendo Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro os líderes em números absolutos na comparação dezembro de 2019 com mesmo período do ano anterior. Na segmentação odontológica, 24 estados e o Distrito Federal registraram aumento no número de beneficiários. São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais foram os estados que registraram os maiores aumentos em relação ao mesmo período do ano anterior.

O segmento exclusivamente odontológico manteve trajetória de crescimento, contabilizando 26.024.494 usuários — expansão de 1.739.649 em relação a dezembro de 2018.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também