Por que os suecos estão pagando imposto a mais de propósito

Cerca de metade do superávit anual foi porque uma parte dos cidadãos e dos negócios pagaram mais impostos do que deveriam

São Paulo - O governo da Suécia está com um problema: as pessoas estão pagando impostos demais.

O último relatório de dívida, divulgado nesta quarta-feira, mostrou que o governo fechou 2016 com um superávit de 85 bilhões de kroner (ou US$ 9,5 bilhões) em 2016.

Mas cerca de metade disso foi porque uma parte dos cidadãos e dos negócios pagaram mais impostos do que deveriam.

O motivo: as taxas de juros no país são negativas, mas o governo continua pagando uma correção anual mínima de 0,56% na hora de devolver o que as pessoas pagaram em excesso.

A grosso modo, os cidadãos estão utilizando o governo como um banco, já que depositar dinheiro nos bancos de verdade não vale mais a pena porque ele só desvaloriza.

A ideia era mesmo essa. Taxas de juros negativas são algo que a teoria econômica nem considerava possível até pouco tempo atrás, até que os bancos centrais de vários países desenvolvidos resolveram experimentar em um cenário onde inflação e crescimento não reagiam.

No caso da Suécia, também era importante não deixar a moeda valorizar demais em relação ao euro.

É por isso que as taxas de juros suecas devem continuar bem baixas, ainda que a previsão para a economia em 2017 seja de crescimento de 2,3% com inflação de 1,3%.

Por enquanto, o governo ficou com mais dinheiro na mão, mas eventualmente terá que pagar de volta e com juros, e sem saber quando. Isso causará algum impacto em 2017 e 2018.

O governo já acabou com a correção anual obrigatória a partir de agora, mas o problema é que mesmo uma taxa zero possa ser atrativa. Não é diferente de deixar o dinheiro debaixo do colchão, mas é mais seguro.

No Brasil, a situação não poderia ser mais diferente. A Selic já sofreu quarto cortes e está em 12,25%, mas o país ainda tem os maiores juros reais do mundo.

Enquanto isso, a arrecadação custa a se recuperar da crise e novas medidas são esperadas para garantir o déficit de R$ 139 bilhões definido pelo governo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.