Economia

Lula diz que Brasil pode importar arroz e feijão devido a chuvas no RS, para evitar alta de preços

Presidente lembrou dos temporais que atingira a Bahia em 2022 e sem citar Bolsonaro afirmou que lembrava que "o presidente da República estava passeando em um jet ski"

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Flickr)

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Flickr)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 7 de maio de 2024 às 11h41.

Última atualização em 7 de maio de 2024 às 17h00.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta terça-feira, 7, que com as chuvas que atingem o Rio Grande do Sul o governo cogita importar arroz e feijão para equilibrar a produção e evitar um aumento dos preços.

— Agora com a chuva eu acho que nós atrasamos de vez a colheita (do arroz) do Rio Grande do Sul. Se for o caso para equilibrar a produção, a gente vai ter que importar arroz, a gente vai ter que importar feijão para que a gente coloque na mesa do povo brasileiro um preço compatível com aquilo que ele ganha — afirmou Lula durante entrevista a rádios.

As fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul já deixaram 90 mortos confirmados, 132 desaparecidos e 361 pessoas feridas até esta terça-feira. Os temporais, que começaram em 27 de abril, ganharam força no dia 29 e já afetaram mais de 1,3 milhão de pessoas em território gaúcho, de acordo com o último boletim da Defesa Civil.

Mais de 155 mil pessoas estão desalojadas e outros 48 mil estão em abrigos. A marca já supera a última tragédia ambiental no estado, em setembro de 2023, quando 54 pessoas morreram.

Durante a entrevista, Lula lembrou dos temporais que atingira a Bahia em 2022. Sem citar o nome do ex-presidente Jair Bolsonaro, Lula afirmou que lembrava que "o presidente da República estava passeando em um jet ski".

Na época, Bolsonaro passava férias no litoral de Santa Catarina e era visto com frequência andando de moto aquática. Ao todo, 25 pessoas morreram e 32.594 ficaram desabrigadas. Bolsonaro não visitou as áreas atingidas.

— Eu lembro quando teve a cheia na Bahia, em 2022. Eu lembro que o presidente da República estava passeando em um jet ski em Fernando de Noronha e não se preocupou. Eu lembrei esse caso para chamar a atenção para o seguinte: ainda tem muita fake news contando mentira sobre o Rio Grande do Sul, desmerecendo as pessoas que estão trabalhando.

O presidente afirmou também que os ministérios já estão autorizados a começar a liberar novos recursos a partir de hoje para os primeiros socorros no estado e que espera que o governador Eduardo Leite apresente um valor aproximado do que será necessário para reconstruir o estado.

Nesta terça-feira, Lula pediu que o Congresso Nacional reconheça o estado de calamidade pública no país para atendimento às cidades atingidas. Na prática, a intenção do governo é uma autorização do Legislativo para repassar verbas às regiões alagadas de forma sem precisar cumprir regras fiscais. O texto já foi aprovado pela Câmara e há expectativa da aprovação pelo Senado nesta terça-feira.

A Constituição prevê, desde 2021, durante a pandemia da Covid-19, que o presidente da República pode pedir o estado de calamidade pública orçamentária, com o objetivo de adotar um regime fiscal extraordinário para atendimento de gastos com tragédias e crises de saúde pública.

A assinatura da mensagem presidencial pedindo a aprovação aconteceu no Palácio do Planalto, ao lado dos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), além do vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Edson Fachin.

O presidente afirmou que o ato foi para fazer um trabalho de forma "unitária" para que a "burocracia não crie entraves".

— Ontem tomamos a primeira iniciativa, e eu fiz questão de convidar o presidente da Câmara, Senado, Tribunal de Contas e Suprema Corte para fazer um trabalho de forma unitária em todos os poderes

No mesmo programa, Lula disse que fica "irritado" com as discussões sobre o déficit fiscal nas contas públicas, e que "não vai gastar, nunca, mais do que precisa gastar".

Acompanhe tudo sobre:ChuvasRio Grande do SulMeteorologiaAlimentosLuiz Inácio Lula da SilvaEnchentes no RS

Mais de Economia

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Lula reclama de decisão do Banco Central sobre taxa de juros: ‘Uma pena que manteve’

Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Plano Real, 30 anos: dinheiro ainda é base de transações, mas 41% dos brasileiros preferem Pix

Mais na Exame