Laços com China são bons para América Latina

Augusto de la Torre, economista-chefe do Banco Mundial, destacou o que descreveu como mudança notável na America Latina

Miami - Os laços estreitos com a China ajudaram muitos países latino-americanos a sair da crise financeira global de forma muito melhor do que o esperado, disse na terça-feira uma autoridade do Banco Mundial.

Destacando o que descreveu como uma "mudança notável", Augusto de la Torre, economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina, disse que a "conexão com a China" estava ajudando a região a avançar para uma recuperação rápida.

Há apenas 10 anos, a influência econômica da China era praticamente inexistente na América Latina, que foi dominada por muito tempo pelos Estados Unidos e suas relações políticas e comerciais, disse de la Torre.

Agora, porém, a China substituiu os Estados Unidos como o principal parceiro comercial de países como Brasil e Peru. De la Torre disse que a China é o principal motor para o crecimento de muitos países.

"Todos esperávamos que a América Latina faria o habitual, que é pegar pneumonia quando os Estados Unidos se resfria", disse ele. "Desta vez, foi o contrário; os Estados Unidos tiveram pneumonia grave e a América Latina realmente teve um resfriado leve", acrescentou.

"Os países que estão se recuperando agora mais rapidamente são os países que estão mais relacionados a essa conexão asiática através de commodities e diretamente por meio de relações comerciais com a China", disse de la Torre, citando Brasil, Peru, Chile, Colômbia, Panamá, Costa Rica e Argentina.

"Essa conexão asiática ligou alguns países da região a um polo de crescimento que parece ter um motor própio".

O Banco Mundial estima que a economia brasileira, que tem o maior crescimento da região, crescerá cerca de 5,5 por cento neste ano.

Mas de la Torre disse à Reuters que não se surpreenderia se a expansão fosse mais alinhada com as projeções de alguns economistas para uma expansão de até 7 por cento.

Leia mais sobre América Latina

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.