Prévia da inflação fica em 0,13% em julho com desoneração dos combustíveis

A variação mensal foi a menor no IPCA-15 desde 2020. O acumulado da inflação em 12 meses caiu para 11,39%
Posto de gasolina: queda na inflação foi puxada pela desoneração dos combustíveis (Leandro Fonseca/Exame)
Posto de gasolina: queda na inflação foi puxada pela desoneração dos combustíveis (Leandro Fonseca/Exame)
C
Carolina Riveira

Publicado em 26/07/2022 às 09:03.

Última atualização em 26/07/2022 às 12:26.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), prévia da inflação mensal, ficou em 0,13% em julho. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 26, pelo IBGE.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

O valor mensal é o menor desde junho de 2020, quando a prévia da inflação no IPCA-15 foi de 0,02%.

O acumulado em 12 meses até julho ficou em 11,39%, caindo ante os 12,04% no IPCA-15 de junho. No ano, a variação acumulada é de 5,79% até julho.

O resultado de julho veio levemente abaixo do consenso do mercado, que esperava alta de 0,16% para o período.

VEJA TAMBÉM: IPCA-15, Carrefour, Walmart e o que mais move o mercado

Os números no IPCA-15 representam uma desaceleração brusca em relação aos resultados de meses recentes. Em junho, o IPCA-15 havia sido de 0,69%, e de 0,59% em maio.

A queda foi puxada sobretudo pelos combustíveis e energia, em meio à desoneração nos tributos dos combustíveis aprovada no Congresso em junho. Por outro lado, a inflação no núcleo de serviços e em alimentação segue pressionada.

(Arte/via Flourish/Exame)

O IPCA-15 diz respeito ao período entre a última quinzena do mês anterior e a primeira quinzena do mês atual, e é considerado uma prévia do IPCA final, que abrange o mês completo e é divulgado no mês seguinte.

Deflação em julho?

A expectativa é que a inflação brasileira comece a cair rapidamente a partir de agora e vá dos quase 12% atuais para menos de 8% no fim do ano.

VEJA TAMBÉM: Preocupação do mercado é inflação em 2023, diz André Perfeito

A previsão do mercado no boletim Focus desta segunda-feira, 25, foi de IPCA em 7,3% no fim de 2022 - embora a projeção para 2023 venha subindo, e esteja hoje em 5,30%.

A inflação no Brasil superou dois dígitos em setembro do ano passado, e não caiu para baixo desse patamar desde então.

(Arte/via Flourish/Exame)

O Brasil está sob a maior taxa básica de juros, a Selic, desde 2016. Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, em 15 de junho, a taxa de juros foi elevada em 0,50 ponto percentual, indo a 13,25%

Queda nos combustíveis, alta no leite

Ao todo, houve altas em seis e queda em três dentre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE no IPCA-15 de julho.

A principal queda no período veio do grupo Transportes (-1,08%, frente a alta de 0,84% em junho), que abrange os combustíveis.

Houve redução de 5,01% no preço da gasolina e de 8,16% no do etanol, na medição do IPCA-15.

O óleo diesel foi na contramão e teve alta de 7,32%.

Já as passagens aéreas subiram 8,13%, seguindo trajetória de alta que vem sendo vista com a reabertura da economia e com o momento sazonal das férias de inverno.

No grupo Habitação, também houve queda de 0,78%, com redução de 4,61% no preço da energia elétrica residencial. Além da desoneração de ICMS, um dos fatores é a continuidade da bandeira verdade, quando não há cobrança adicional na conta de luz por escassez hídrica.

O ICMS sobre insumos como combustíveis, energia elétrica e comunicações foi reduzido a um teto de cerca de 18% nos estados e tributos federais foram zerados também para a gasolina (já estavam zerados para o diesel). Além disso, o preço do petróleo desacelerou no mercado internacional com os temores de uma recessão global, impactando os preços internos nos importadores.

VEJA TAMBÉM: Por que a inflação recorde nos EUA é má notícia para o Brasil

Dentre as altas na inflação, o maior impacto (0,25 p.p.) para o índice veio do grupo Alimentação e bebidas, que teve alta de 1,16%, acelerando em relação a junho (0,25%).

O preço do leite longa vida, que subiu 22,27% no período, foi o destaque. A alta do leite também puxou para cima preços de derivados como requeijão (4,74%), manteiga (4,25%) e queijo (3,22%).

Como já havia ocorrido no mês passado, há também uma pressão forte em alimentação fora de casa (alta de 1,27%, frente a 0,74% em junho), que reflete a inflação pressionada no núcleo de serviços.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia