Inflação é a menor para fevereiro desde 2000 e está quase na meta

Alimentação e Bebidas tem menor resultado desde julho de 2010 e inflação em 12 meses já se aproxima do centro da meta

São Paulo - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 0,33% em fevereiro, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É a taxa mais baixa para o mês desde 2000, quando foi de 0,13%, e representa queda em relação a janeiro, quando foi de 0,38%.

A inflação acumulada nos últimos 12 meses ficou em 4,76%, após ter registrado 5,35% nos 12 meses imediatamente anteriores.

A meta de inflação anual no país é de 4,5%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Uma redução na meta pode ocorrer em junho, quando o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reunirá para ratificar ou não a meta de 2018 e fixar a do ano seguinte. A questão divide economistas.

Grupos

Dos 9 grupos pesquisados, 3 caíram e 6 subiram em relação ao mês anterior, mas com impactos desproporcionais.

O grupo Educação foi o grande responsável pela inflação mensal, com alta de 5,04% e impacto de 0,23 ponto percentual no índice final.

Isso é um reflexo dos reajustes praticados no início do ano letivo, em especial nas mensalidades dos cursos regulares, que tiveram alta de 6,99%.

O maior impacto para baixo (-0,11 ponto percentual) na inflação de fevereiro foi a de Alimentação e Bebidas, de longe o grupo com maior peso na formação do índice.

Depois de subirem 0,35% em janeiro, os alimentos e bebidas caíram 0,45% em fevereiro.

"As chuvas ficaram mais bem distribuídas, e isso favoreceu a safra e melhorou a oferta dos produtos", diz José Fernando Gonçalves, pesquisador do IBGE.

Foi o menor resultado desde julho de 2010. Se considerarmos apenas o mês de fevereiro, foi a queda mais intensa desde que o plano Real começou em 1994.

As passagens aéreas caíram 12,29% e tiveram o maior impacto individual negativo na inflação de fevereiro: -0,05 ponto percentual no índice final.

Foi quase suficiente para anular a alta de 2,33% nos ônibus urbanos, que tiveram impacto de 0,06 ponto percentual na taxa final.

Grupo Variação janeiro, em % Variação fevereiro, em %
Índice Geral 0,38 0,33
Alimentação e Bebidas 0,35 -0,45
Habitação 0,17 0,24
Artigos de Residência -0,10 0,18
Vestuário -0,36 -0,13
Transportes 0,77 0,24
Saúde e cuidados pessoais 0,55 0,65
Despesas pessoais 0,45 0,31
Educação 0,29 5,04
Comunicação 0,63 0,66

 

Grupo Impacto janeiro, em p.p. Impacto fevereiro, em p.p.
Índice Geral 0,38 0,33
Alimentação e Bebidas 0,09 -0,11
Habitação 0,03 0,04
Artigos de Residência 0,00 0,01
Vestuário -0,02 -0,01
Transportes 0,14 0,04
Saúde e cuidados pessoais 0,06 0,08
Despesas pessoais 0,05 0,03
Educação 0,01 0,23
Comunicação 0,02 0,02

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse em entrevista ontem, antes da divulgação dos dados, que o país está em um processo de desinflação:

"Tem a queda dos alimentos, mas há uma desinflação mais difundida. Temos queda na inflação de serviços e de outros componentes."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.