Economia

Haddad diz que debate sobre taxação de compras internacionais está 'polarizado'

Presidente Lula afirmou na semana passada que deve vetar o fim da isenção para compras de até US$ 50

Fernando Haddad, ministro da Fazenda (Diogo Zacarias/MF/Divulgação)

Fernando Haddad, ministro da Fazenda (Diogo Zacarias/MF/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 27 de maio de 2024 às 15h19.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira que o debate em torno da taxação de compras internacionais está “polarizado”. Segundo Haddad, o assunto deve ser discutido com o Congresso Nacional, onde tramita o projeto de lei que pode impor a volta do Imposto de Importação para compras de até US$ 50 por pessoas físicas.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse na semana passada que a "tendência" é vetar o projeto que seria votado pela Câmara dos Deputados na última quarta-feira, mas foi adiado após um pedido do governo.

Questionado sobre a possibilidade do veto, Haddad disse nesta segunda-feira que o mais importante é que o debate sobre o tema esteja acontecendo.

— Isso não pode ser responsabilidade de uma pessoa. É um assunto que está polarizado, e o que nos importa é que o debate técnico se estabeleça, para saber o que é melhor para o país. Mas isso é um assunto que vai acabar sendo discutido por mais do que um ator, para chegar a um denominador comum — disse o ministro a jornalistas no Ministério da Fazenda.

O ministro então destacou a discussão posta com o Congresso Nacional.

— Então hoje pelo menos você tem um debate estabelecido no Congresso Nacional. O Supremo Tribunal Federal (STF) também, as confederações estão mobilizadas. É importante saber o que está acontecendo, a repercussão para a economia, para tomar a melhor decisão

Na Câmara, o relator do projeto de lei que institui Programa Mobilidade Verde e Inovação (Mover), deputado Átila Lira (PP-PI) incluiu um trecho no texto da matéria que prevê o fim da isenção de US$ 50 para pessoas físicas, incluindo sites estrangeiros como os asiáticos Shein e Shopee.

A isenção é encarada por varejistas brasileiros, como um fator que desequlibra a concorrência com produtos importados. A Receita Federal, que integra o Ministério da Fazenda de Haddad, defendeu manter a isenção para compras até esse valor, já que existe hoje o programa Remessa Conforme.

Inaugurado em agosto de 2023 pela Fazenda, o Remessa Conforme, já trata sobre o tema. que funciona por adesão. Os participantes do programa tiveram o Imposto de Importação para compras de até US$ 50 zerado — antes, era de 60%.

No Congresso, o fim da isenção conta com o apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que já chegou a defender a medida em plenário e negar que se tratasse de um "jabuti".

Na semana passada, Lula disse que não tinha reunião marcada com Lira para discutir o trecho que prevê o fim da isenção, mas que está aberto para um eventual encontro.

Questionado se aceitaria uma taxação menor, o presidente afirmou que há diversas visões sobre o tema, mas que não pode impedir que "pessoas pobres, meninas e moças" comprem "bugigangas".

— Eu não sei, cada um tem uma visão a respeito do assunto. Veja, quem é que compra essas coisas? São mulheres, jovens, e tem muita bugiganga. Nem sei se essas bugigangas competem com as coisas brasileiras, nem sei — afirmou Lula, completando: — Como você vai proibir as pessoas pobres, meninas e moças que querem comprar uma bugiganga, um negócio de cabelo, sabe?

Acompanhe tudo sobre:Fernando HaddadMinistério da FazendaImpostos

Mais de Economia

Dirigente do banco central europeu fala que corte foi decisão essencial

Haddad afirma que decreto da meta de inflação contínua será publicado em junho

Exclusivo: CMN acabará com restrições para fundos de pensão investirem em imóveis

Relação do empresariado com Haddad “esgarçou”, dizem empresários

Mais na Exame