Acompanhe:

A General Motors (GM) anunciou nesta quarta-feira investimentos de R$ 7 bilhões no país, entre 2024 e 2028. O anúncio foi feito em Brasília, com a presença do presidente internacional da companhia, Shilpan Amin.

Pela manhã, ele se encontrou com o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, e o vice-presidente, Geraldo Alckmin. A empresa completa 99 anos no Brasil na próxima sexta-feira.

Segundo a montadora, o foco do novo ciclo de investimentos será acelerar a mobilidade sustentável, com a renovação do portfólio de veículos e desenvolvimento de novas tecnologias. As atuais fábricas no país serão modernizadas, para serem mais "ágeis e sustentáveis", de acordo com o grupo.

"O Brasil é estratégico para o plano global de expansão de negócios da GM. Além de ser um polo exportador de veículos para a América do Sul, conta com um amplo centro de desenvolvimento de engenharia e é um mercado com alto potencial de crescimento com vocação também para veículos de novas tecnologias", explicou Amin.

Além de Amin, o encontro com Lula incluiu o presidente da GM América do Sul, Santiago Chamorro, e o vice-presidente de Políticas Públicas, Comunicações e ESG da GM para América do Sul, Fabio Rua.

Sobre a conversa com Lula, os executivos da empresa afirmaram que houve sinergia e um dos temas abordados foi a segurança jurídica para o setor.

"Diálogo permanente com o governo para potencializar oportunidades no país", afirmou Rua.

A GM e subsidiárias vendem veículos sob as marcas Chevrolet, Buick, GMC, Cadillac, Baojun e Wuling.

Demissões em outubro

Em outubro, a empresa anunciou mais de 1.000 demissões nas fábricas de São Caetano do Sul, São José dos Campos e Mogi das Cruzes. Os cortes depois foram cancelados, por decisão judicial, e a empresa abriu um programa de incentivo para demissão voluntária.

Questionado sobre o tema, Fábio Rua afirmou que elas foram pontuais e sob conjuntura específica.

"As demissões foram feitas em uma conjuntura específica. Foram ajustes pontuais e que deram dor no coração. Mas a visão de longo prazo é continuar empregando e investindo", afirmou.

Na época, sindicatos de metalúrgicos ligados à montadora recorreram ao governo e ao ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, para tentar reverter os cortes. O ministro determinou ao superintendente regional do Trabalho em São Paulo, Marcus Pontual, a realização de uma mesa de negociação da GM com Sindicatos para tratar desse assunto.

Por telegrama, a General Motors comunicou aos empregados, num final de semana, sobre as demissões, a partir do dia 23 de outubro, alegando adequação do quadro de funcionários.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Governo aprova duas medidas para fortalecer o empreendedorismo
seloNegócios

Governo aprova duas medidas para fortalecer o empreendedorismo

Há 7 horas

'Só por teimosia, Padilha vai ficar muito tempo no ministério', diz Lula
Brasil

'Só por teimosia, Padilha vai ficar muito tempo no ministério', diz Lula

Há 8 horas

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha
ESG

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha

Há um dia

Lula afirma que o Brasil voltará a vender 3,8 milhões de carros por ano
Economia

Lula afirma que o Brasil voltará a vender 3,8 milhões de carros por ano

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais