Economia

Equador reduz encomenda de Super Tucanos da Embraer

Quito - O Equador reduzirá de 24 para 18 o número de aviões de ataque Super Tucano que pretende comprar da brasileira Embraer, informou nesta quinta-feira o comandante da Força Aérea Equatoriana (FAE), general Leonardo Barreiro. "O ideal seria comprarmos 24 aviões, mas agora vamos adquirir ao menos 18. Com estes 18 aparelhos poderemos operar […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de maio de 2010 às 09h57.

Quito - O Equador reduzirá de 24 para 18 o número de aviões de ataque Super Tucano que pretende comprar da brasileira Embraer, informou nesta quinta-feira o comandante da Força Aérea Equatoriana (FAE), general Leonardo Barreiro.

"O ideal seria comprarmos 24 aviões, mas agora vamos adquirir ao menos 18. Com estes 18 aparelhos poderemos operar normalmente", disse Barreiro à imprensa.

O general informou que a redução no pedido à Embraer permitirá a compra de aviões supersônicos.

"A verba será aplicada na recuperação da aviação supersônica, que também é de suma importância para a defesa do território nacional, da soberania".

O contrato para a compra dos 24 Super Tucanos, por 270 milhões de dólares, foi fechado em maio de 2008, dois meses após o ataque aéreo colombiano contra uma base clandestina da guerrilha das Farc no território do Equador.

A ação deixou 25 mortos e provocou a ruptura das relações entre os dois países.

Até o momento, o Equador já recebeu seis Super Tucanos, e a previsão é que a Embraer entregue mais dois aviões a cada mês até completar o pedido.

Fontes militares citadas pelo jornal El Universo garantem que a decisão foi provocada por uma redução de gastos nas Forças Armadas.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaAviaçãoSetor de transporteVendas

Mais de Economia

Haddad diz que terá reunião com Pacheco nesta semana para discutir dívida dos estados

Senado aprova novas regras paras os seguros, e texto segue para a Câmara

RS e BNDES negociam parceria estratégica sobre desastres ambientais

Marco dos seguros avança no Senado e segue para o plenário da Casa

Mais na Exame