Economia

Economia da China está estabilizando, diz governo chinês

Análise é apoiada na recuperação dos gastos dos consumidores, nos investimentos e na produção industrial

SHANGAI, CHINA: economia chinesa está se estabilizando e acelerando com uma melhora acentuada dos principais dados econômicos para os dois primeiros meses de 2023 (Patrick Foto/Getty Images)

SHANGAI, CHINA: economia chinesa está se estabilizando e acelerando com uma melhora acentuada dos principais dados econômicos para os dois primeiros meses de 2023 (Patrick Foto/Getty Images)

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 16 de março de 2023 às 17h48.

Última atualização em 16 de março de 2023 às 17h51.

A economia chinesa está se estabilizando e acelerando com uma melhora acentuada dos principais dados econômicos para os dois primeiros meses de 2023, afirmou na quarta-feira (15) o Escritório Nacional de Estatísticas do país (NBS, sigla em inglês), em um relatório. A análise é apoiada na recuperação dos gastos dos consumidores, nos investimentos e na produção industrial.

As vendas no varejo – uma medida chave dos gastos dos consumidores – aumentaram 3,5% no período de janeiro-fevereiro, depois de uma queda de 1,8% em dezembro, mostraram os dados divulgados pelo NBS.

O investimento em ativos fixos aumentou em 5,5% durante o período de dois meses, em comparação com um aumento de 5,1% para todo o ano de 2022. O investimento em ativos fixos é indicador de gastos em itens incluindo infraestrutura, propriedade e máquinas e equipamentos.

“A tendência de alta na atividade econômica da China foi ampla em janeiro-fevereiro, com vendas de varejo e investimentos mais ou menos de acordo com as expectativas”, disse Louise Loo, economista chefe da China no think tank britânico Oxford Economics.

Citando dados oficiais, ela disse que a produção da fábrica também acelerou após uma desaceleração de três meses, consistente com a melhoria dos dados do índice de gerentes de compras para o período de janeiro-fevereiro e relatórios de facilitação de gargalos na cadeia de suprimentos.

De acordo com Loo, a produção industrial mais modesta reflete fraquezas na demanda externa. A produção industrial da China cresceu 2,4% no período de janeiro-fevereiro em relação ao ano anterior, após um aumento de 1,3% em dezembro, ligeiramente inferior aos 2,6% previstos por uma pesquisa da Reuters.

Lu Ting, economista-chefe da China no grupo global de serviços financeiros Nomura, disse que os dados de atividade de janeiro-fevereiro mostram uma melhoria geral a partir do quarto trimestre de 2022.

Entretanto, devido à diminuição das exportações e a um setor imobiliário ainda fraco, o ritmo de recuperação não tem sido muito forte. “Esperamos que estes dados de atividade principal melhorem ainda mais em março”, disse. “Esperamos que o Conselho de Estado (Gabinete da China), mantenha uma postura política de apoio, porém comedida, nos próximos meses”.

Crescimento da economia

A China estabeleceu uma meta de crescimento econômico de cerca de 5% para 2023, que os funcionários e analistas acreditam ser uma meta pragmática. A economia chinesa cresceu 3% ao ano em 2022.

O porta-voz da NBS Fu Linghui disse que a taxa de crescimento potencial da China está amplamente projetada para permanecer entre 5% e 7%, e o país tem as condições, os fundamentos e a confiança para atingir a meta este ano apesar dos desafios.

Em uma conferência de imprensa em Pequim na quarta-feira, 15, Fu afirmou que a base para a recuperação econômica “ainda não é sólida”, e que mais esforços serão feitos para avançar a melhoria geral do desempenho econômico, com um foco fundamental no aumento da demanda interna e na expansão ativa da abertura.

Wen Bin, economista chefe do China Minsheng Bank, disse que o crescimento do PIB da nação provavelmente atingirá 5,5% ou mais este ano, com políticas de apoio entrando em vigor gradualmente e melhorando a confiança do mercado.

Confiança no futuro

Olhando para o futuro, executivos globais expressaram forte confiança e otimismo para um 2023 robusto.

Zhang Xiqiang, CEO da China na Nestlé SA, disse que a empresa está agora “ainda mais confiante e comprometida com o mercado chinês e a economia do país”, com a otimização das medidas de resposta da COVID-19 e a determinação de uma maior abertura.

“Estamos muito otimistas quanto à recuperação da capacidade de consumo, dada a resiliência e vitalidade da economia chinesa”, disse Zhang, acrescentando que a Nestlé planeja implantar mais de 200 novos produtos no mercado chinês este ano.

Xu Yang, presidente da China na empresa dinamarquesa de engenharia Danfoss Group, falou sobre as medidas de abertura elaboradas pelos principais formuladores de políticas da China e o foco na proteção dos direitos de propriedade intelectual, dizendo que estas fortaleceram sua confiança a longo prazo no mercado chinês.

Segundo Xu, a Danfoss está comprometida com investimentos a longo prazo na China, e seu recente anúncio de investir 100 milhões de euros (US$ 105,8 milhões) para construir uma fábrica modelo em Nanjing, província de Jiangsu, é um sinal claro das perspectivas positivas da empresa para o mercado chinês.

Fonte: STCN

Acompanhe tudo sobre:Chinaeconomia-internacionalNestléBricsMercado imobiliárioIndústria

Mais de Economia

TCU aprova contas do governo Lula em 2023, mas aponta distorções de R$ 20 bi

BNDES suspende pagamento de empréstimos do Aeroporto Salgado Filho, no RS, por 12 meses

Lula: há possibilidade de fundo saudita investir em vários setores no Brasil

Presidente da Petrobras afirma que Lula demandou que empresa apoie o desenvolvimento do país

Mais na Exame