Crise econômica global pode moderar economia no país, diz BC

Segundo o BC, “nesse contexto, as exportações são direta e negativamente afetadas pela desaceleração da economia mundial, o que resulta em menor volume de comércio”

Brasília - O processo atual de moderação da atividade econômica no país tende a ser potencializado pela fragilidade da economia global, segundo avaliou o Banco Central (BC), no Relatório de Inflação, divulgado hoje (22).

O relatório destaca que “nesse contexto, as exportações são direta e negativamente afetadas pela desaceleração da economia mundial, o que resulta em menor volume de comércio”. “Por sua vez, os canais de crédito e confiança tendem a desacelerar o ritmo de crescimento de investimentos e do consumo domésticos”, acrescenta o BC.

Desde o último relatório, divulgado em setembro, segundo o BC, houve deterioração do cenário externo, com “novas reduções, generalizadas e de grande magnitude, nas projeções de crescimento para os principais blocos econômicos e no agravamento das condições financeiras em algumas das principais economias da zona do euro”.

No relatório, o BC informa que trabalha com a hipótese de baixo crescimento da atividade global, por um período de tempo prolongado. Mas não há perspectivas de “eventos extremos” no cenário internacional.

No Brasil, apesar dessa moderação na atividade, a economia “continuará sendo favorecida pela demanda interna, para a qual contribuirão, entre outros, o crescimento da renda e a expansão moderada do crédito”.

De acordo com o relatório, a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano foi revisada para baixo. A estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, passou de 3,5% para 3%. Para 2012, a projeção de crescimento está em 3,5%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.