Acompanhe:

Copom reduz juros para 12,25% ao ano e sinaliza novos cortes de 0,5 ponto percentual

Mesmo após Lula sinalizar mudança da meta fiscal, diretores do BC mantiveram tendência de queda da Selic

Modo escuro

Continua após a publicidade
Integrantes do Copom sinalizaram que continuidade da queda de juros depende de estabilidade fiscal (Divulgação/Banco Central/Exame)

Integrantes do Copom sinalizaram que continuidade da queda de juros depende de estabilidade fiscal (Divulgação/Banco Central/Exame)

O Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu os juros em 0,5 ponto percentual, para 12,25% ao ano, nesta quarta-feira, 1º. Essa foi a terceira queda consecutiva da Selic e era amplamente esperada pelo mercado. Os diretores do Banco Central (BC) tomaram a decisão após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sinalizar que o governo deve abandonar a meta de zerar o déficit público em 2024, o que pode frear a queda de juros.

"Tendo em conta a importância da execução das metas fiscais já estabelecidas para a ancoragem das expectativas de inflação e, consequentemente, para a condução da política monetária, o Comitê reafirma a importância da firme persecução dessas metas", informou o BC.

Os membros do Copom também sinalizaram que na próxima reunião do colegiado, marcada para 12 e 13 de dezembro, a tendência é de novo corte de 0,5 ponto percentual. Além disso, deixaram a porta aberta para cortes da mesma magnitude nas reuniões seguintes.

"Em se confirmando o cenário esperado, os membros do Comitê, unanimemente, anteveem redução de mesma magnitude nas próximas reuniões e avaliam que esse é o ritmo apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário. O Comitê enfatiza que a magnitude total do ciclo de flexibilização ao longo do tempo dependerá da evolução da dinâmica inflacionária, em especial dos componentes mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica, das expectativas de inflação, em particular daquelas de maior prazo, de suas projeções de inflação, do hiato do produto e do balanço de riscos", informou o BC, no comunicado.

Economia do Tesouro com queda da Selic

Como mostrou a EXAME, o Tesouro Nacional pode economizar R$ 309,5 bilhões com o custo da dívida pública até o fim de 2024 com a queda da Selic. Desse total, R$ 45,1 bilhões devem deixar de ser gastos se os juros terminarem o ano em 11,75% ao ano.

No fim do próximo, com a taxa em 9,5% ao ano, o governo deve poupar outros R$ 264,4 bilhões. A estimativa é do estrategista de renda fixa da BGC LiquidezDaniel Leal.

Tamanho do ciclo de cortes

A dúvida entre os analistas -- e de todos que acompanham no detalhe a política monetária e econômica -- é como a autoridade monetária se comportará a partir de 2024, quando terá mais dois membros indicados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No mercado, as apostas migraram para que o corte dos juros termine 2023 em 11,75% ao ano, com mais três cortes consecutivos de 0,5 ponto percentual. Um debate incipiente considerou uma aceleração do ritmo para 0,75 ponto percentual, mas perdeu força. Entretanto, para 2024, ainda não há clareza sobre como o BC se comportará.

Como ficou a taxa Selic hoje?

O Copom reduziu os juros em 0,5 ponto percentual, para 12,25% ao ano.

O que significa a taxa Selic?

A taxa Selic é a taxa básica de juros no Brasil, ou seja, aquela que vai nortear todos os demais juros, tanto para quem recebe, quanto para quem paga. Ela é importante para quem realiza algum empréstimo ou financiamento em alguma instituição financeira e também para quem investe.

Banco Central possui um sistema conhecido como Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, onde acontecem as compras e vendas de títulos públicos, e se utiliza a taxa Selic para nortear qualquer operação.

É justamente o nome desse sistema que faz a taxa básica de juro no Brasil ser conhecida como Selic. Quando nos referimos à negociação de títulos públicos no sistema do BC, se tratam de operações de empréstimo de curto prazo que são feitas entre instituições, que por sua vez, tem como garantia esses títulos.

O que acontece quando a taxa Selic cai?

taxa Selic é o instrumento usado no combate à inflação no Brasil, e de uma série de medidas de política monetária adotadas pelo Banco Central na tentativa de manter a economia do país estável. Quando a taxa cai, a tendência é de redução de custos para contratar empréstimos e para fazer investimentos na economia real.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Picchetti: Brasil está sendo encarado como exemplo na inclusão financeira
Economia

Picchetti: Brasil está sendo encarado como exemplo na inclusão financeira

Há 2 dias

Baixo crescimento do Brasil nas últimas décadas se deve a impostos e juros altos, diz Alckmin
Economia

Baixo crescimento do Brasil nas últimas décadas se deve a impostos e juros altos, diz Alckmin

Há 3 dias

Governo aprova nova queda de juros do empréstimo consignado para beneficiários do INSS
Economia

Governo aprova nova queda de juros do empréstimo consignado para beneficiários do INSS

Há 3 dias

Drex: lançamento do real digital pode atrasar, aponta coordenador do Banco Central
Future of Money

Drex: lançamento do real digital pode atrasar, aponta coordenador do Banco Central

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais