Economia

Comissão do Senado aprova limite no juro do cartão de crédito

Proposta define um teto para o juro do cartão de crédito ao equivalente ao dobro do CDI, próxima à Selic

Cartões de crédito: caso a proposta já estivesse em vigor, o limite da taxa cobrada pelos bancos no chamado rotativo seria equivalente a 28 por cento ao ano (Marcos Santos/USP Imagens)

Cartões de crédito: caso a proposta já estivesse em vigor, o limite da taxa cobrada pelos bancos no chamado rotativo seria equivalente a 28 por cento ao ano (Marcos Santos/USP Imagens)

R

Reuters

Publicado em 29 de novembro de 2016 às 14h12.

São Paulo - A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou nesta terça-feira um projeto que define um teto para o juro do cartão de crédito ao equivalente ao dobro do CDI, próxima à Selic, hoje em 14 por cento ao ano.

Ou seja, caso a proposta já estivesse em vigor, o limite da taxa cobrada pelos bancos no chamado rotativo, quando o cliente financia parte da fatura, seria equivalente a cerca de 28 por cento ao ano.

O senador Ivo Cassol (PP-RO), autor do projeto, disse que os juros abusivos exigem limites regulatórios. Com a aprovação na CAE, o projeto seguirá para votação em plenário.

Na semana passada, o Banco Central informou que o juro médio do rotativo do cartão de crédito em outubro ficou em 475,8 por cento ao ano.

Mesmo o crédito com desconto em folha de pagamento, o consignado, teve taxa média de 29,5 por cento em outubro, acima do nível proposto pelo projeto aprovado pela CAE.

Consultada, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) não se manifestou de imediato. Um porta-voz da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito (Abecs) não foi encontrado para comentar.

Acompanhe tudo sobre:Cartões de créditoJurosSelic

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame