China respondeu 40% das exportações agrícolas brasileiras no 1º semestre

De janeiro a junho deste ano, foram gerados US$ 20,5 bilhões com as vendas de produtos agrícolas para os chineses

A China respondeu por 40% das exportações agrícolas brasileiras no primeiro semestre deste ano, segundo levantamento realizado pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e obtido pelo Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

De janeiro a junho deste ano, foram gerados US$ 20,5 bilhões com as vendas de produtos agrícolas para os chineses. "Em 2020 a participação da China nas exportações do agro foi recorde", destaca o relatório.

Na sequência, entre os principais destinos, vêm os demais países da Ásia (17%) e a União Europeia (16%).

O peso da China na pauta agrícola brasileira é tão expressivo que as exportações para o país asiático foram superiores em US$ 5 bilhões à soma da receita gerada com vendas externas para União Europeia, América do Norte, Oriente Médio, América do Sul e África.

De acordo com o documento, para cada US$ 1 exportado para a União Europeia, mais de US$ 2 são exportados para a China; enquanto para cada US$ 1 exportado para os Estados Unidos quase US$ 7 são exportados para a China.

No período, a receita de exportações agrícolas do País atingiu recorde com geração de US$ 51,63 bilhões, 9,7% a mais que o registrado no primeiro semestre de 2019. Já a receita dos demais setores econômicos caiu 20%. Com o resultado, a participação do agronegócio no faturamento total das exportações brasileiras saltou de 43% para 51% no acumulado dos seis primeiros meses deste ano.

Os 10 principais produtos exportados pelo País representaram 80% da receita de exportações do agronegócio. Do total, R$ 20,5 bilhões vieram das vendas de soja (40%). Outros R$ 4,5 bilhões foram gerados pela comercialização externa de carne bovina (7%). Na sequência, entre os maiores faturamentos, constam celulose (6%), carne de frango (6%), farelo de soja (6%), açúcar (5%), café (4%), algodão (2%), carne suína (2%), papel (2%) e demais commodities (20%).

Para a China, as exportações agrícolas brasileiras aumentaram 30% em valor nominal, na comparação entre o primeiro semestre de 2019 e 2020, enquanto para os demais mercados caíram 1%.

De soja a comercialização para a China avançou 30% nos seis primeiros meses de 2020 e de carnes cresceu 114%. A oleaginosa e as proteínas brasileiras representam 87% do valor gerado com as vendas externas para o país asiático. A China adquiriu 72% da soja em grão exportada pelo Brasil.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também