Acompanhe:

Os brasileiros estão mais endividados com cartão de crédito, de acordo com pesquisa do Instituto Locomotiva sobre o perfil dos inadimplentes divulgada nesta quinta-feira. De acordo com o levantamento, o cartão é a principal dívida para 60% das pessoas que estão endividadas. Em 2022, esse percentual era de 56% e no ano anterior, de 49%.

O governo federal tentou sem sucesso fechar um acordo com os bancos para reduzir as taxas do rotativo do cartão de crédito, a modalidade de crédito com maior taxa de juros. Diante do impasse, o Congresso decidiu que os juros na modalidade não poderão ultrapassar a 100% da dívida, caso o setor não adote uma auto regulamentação até o fim do ano.

De acordo com a pesquisa, os principais motivos para o endividamento foram falta de planejamento, perda do emprego e gasto não previsto com saúde.

Os atrasos nos pagamentos de empréstimos bancários e financeiras estão em segundo lugar entre as principais fontes de inadimplência do brasileiro. No total, 43% disseram ter dívidas do tipo. No ano passado, o patamar era de 40%. Já em relação a 2021, houve queda no percentual de três pontos percentuais.

O terceiro maior vilão do endividamento é o cheque especial, com uma fatia de 19%. Mas em relação aos anos anteriores, houve queda. Em seguida, estão as contas de luz, gás e água.

Por outro lado, houve queda da inadimplência de faturas de telefone celular que respondeu por 14% em 2023 — o percentual era de 16% e em 2022 e, no ano anterior, de 32%.

Mais otimismo

O levantamento também mostra que as pessoas estão mais otimistas em relação à regularização da situação financeira: 39% dizem acreditar que vão conseguir pagar contra 25% em 2022. Os entrevistados apontam ainda que um crédito mais barato e ampliação do acesso a serviços publicos gratuitos, como creches com horários estendidos poderiam facilitar a vida dos endividados.

A pesquisa foi realizada antes do funcionamento da plataforma do Desenrola Brasil. O programa começou a rodar efetivamente em outubro e permite a negociação de dívidas de pessoas com renda mensal de até dois salários mínimos. A primeira fase do programa que começou com perdão de débitos de até R$ 100 pelos bancos já tinha ocorrido.

Mais da metade dos devedores disseram que não sabiam se suas dívidas poderiam ser contempladas pelo programa.

Forte influência das redes sociais

A pesquisa constatou que as redes sociais dispararam como a principal influência para o endividamento das pessoas. O percentual saltou de 23% contra 16% em 2022. Em seguida, aparecem programas de TV, amigos e cônjuges.

O universo de entrevistados que disseram acreditar no impacto negativo do endividamento de forma geral na vida das pessoas subiu de 83% para 92%. Para 86% dos entrevistados, o sono é o mais afetado.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Casas Bahia alonga R$ 1,5 bi em dívidas e afasta temores de insolvência
Exame IN

Casas Bahia alonga R$ 1,5 bi em dívidas e afasta temores de insolvência

Há um dia

Raízen dá largada para estreia em green bonds no mercado externo
Exame IN

Raízen dá largada para estreia em green bonds no mercado externo

Há 4 dias

Comissão do Senado aprova uso de cartões e Pix para pagamento de pedágio em rodovias federais
Economia

Comissão do Senado aprova uso de cartões e Pix para pagamento de pedágio em rodovias federais

Há uma semana

Gigante dos cartões de crédito: Capital One compra Discover Financial por U$ 35 bilhões nos EUA
seloMercados

Gigante dos cartões de crédito: Capital One compra Discover Financial por U$ 35 bilhões nos EUA

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais