Desemprego recua para 14,1%, mas ainda é o pior na série histórica, diz IBGE

Apesar de melhor do que no pico da pandemia, esta é a pior taxa de desemprego para um trimestre encerrado em novembro desde o início da série histórica, em 2012

A taxa de desemprego no Brasil recuou para 14,1% no trimestre até novembro, segundo nova edição da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A estimativa é que o desemprego atinja 14 milhões de brasileiros, segundo informou o IBGE nesta quinta-feira, 27.

O resultado representa um recuo de 0,2 ponto percentual ante os 14,3% do período anterior, no trimestre encerrado em outubro. Este é o segundo seguido recuo da taxa de desemprego.

Apesar dos avanços, o IBGE aponta que esta é a pior taxa de desemprego para um trimestre encerrado em novembro desde o início da série histórica, em 2012. O fim do ano, no geral, tem alto volume de contratações temporárias em meio às festas e férias. A título de comparação, o desemprego havia ficado em 11,2% no mesmo período em 2019 (cerca de 2,2 milhões de pessoas empregadas a mais).

“Embora haja esse crescimento na ocupação nesse trimestre, quando a gente confronta a realidade de novembro de 2020 com o mercado de trabalho de novembro de 2019, as perdas na ocupação ainda são muito significativas”, diz a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, do IBGE, em nota com a divulgação dos resultados.

Beringuy afirma que atividades como alojamento e alimentação, serviços domésticos e o próprio comércio ainda acumulam perdas anuais relevantes, apesar do crescimento recente.

No trimestre encerrado em novembro, o aumento da absorção de trabalhadores foi percebido em todos os dez setores pesquisados, com exceção do setor de serviços, ainda amplamente afetado pela pandemia -- e também o maior empregador brasileiro, respondendo por dois terços dos empregos antes da crise.

O comércio foi o setor que mais absorveu trabalhadores no período, mais de 854.000 pessoas. “O comércio nesse trimestre, assim como no mesmo período do ano anterior, foi o setor que mais absorveu as pessoas na ocupação, causando reflexos positivos para o trabalho com carteira no setor privado que, após vários meses de queda, mostra uma reação”, diz a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, do IBGE.

Segundo o IBGE, a maior parte do aumento da ocupação veio novamente do mercado informal, que respondeu por mais de 60% do crescimento dos empregos, aumento que já havia ocorrido no trimestre anterior.

O número de empregados informais subiu 11,2% e o de trabalhadores no setor privado com carteira assinada aumentou 3,1%. O mercado informal havia tido quedas bruscas de empregabilidade durante os piores meses da pandemia, com vários setores da economia fechados e viagens restritas. Na outra ponta, foi o emprego formal quem segurou as vagas, sobretudo diante do programa de redução da jornada e salário do governo federal -- que, segundo o Ministério da Economia, manteve os empregos de 10 milhões de pessoas. O Ministério estuda prorrogar o programa em meio ao prolongamento da crise.

Com isso, a taxa de informalidade no Brasil subiu de 38% para 39,1%, mais próxima dos níveis pré-pandemia, quando ficava na casa dos 40%. “Os trabalhadores informais foram os mais afetados no começo da pandemia e também foram os que mais cedo retornaram a esse mercado", diz Beringuy. 

Embora tenha melhorado desde o pico do desemprego, no trimestre entre julho e setembro, a taxa de desemprego brasileira está ainda longe dos patamares pré-pandemia, quando beirava os 12%. Mesmo naquele momento, o Brasil já vinha de uma crise econômica interna e níveis baixos de desemprego desde 2016, mas a pandemia piorou o cenário.

Um grande desafio brasileiro para 2021 é retomar os empregos em meio à crise econômica e possível freio no consumo com o fim do auxílio emergencial. A lentidão na vacinação -- o Brasil vacinou até agora menos de 0,3% da população -- também deve fazer com que a economia demore a reabrir a pleno vapor, incluindo em setores com alto número de empregados, como turismo e restaurantes.

Uma expectativa para os próximos meses é que haja ainda um aumento na taxa de desemprego com mais pessoas efetivamente procurando trabalho, sobretudo diante do fim do auxílio.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.