Economia
Acompanhe:

Arábia Saudita se reinventa com guinada econômica

ÀS SETE - Orçamento apresentado pelo governo do Príncipe Bin Salman indica que o plano é sair da austeridade e passar para o estímulo

Bin Salman vem ampliando os direitos de civis mesmo sem promover a democratização no país

Bin Salman vem ampliando os direitos de civis mesmo sem promover a democratização no país

E
EXAME Hoje

19 de dezembro de 2017, 07h48

A Arábia Saudita vai apresentar, nesta terça-feira, o orçamento para 2018. Tudo indica que o plano é sair da austeridade e passar para o estímulo, numa fase de reinvenção da economia.

A influência de um novo fôlego é inegável: o príncipe Mohammed Bin Salman, que assumiu em junho o posto de herdeiro, e vem adotando decisões arrojadas (para os padrões sauditas) em questões econômicas, políticas e sociais.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

O príncipe, que chegou apresentando um plano intitulado “visão 2030” para diversificar a economia e reduzir a dependência do petróleo, está sendo chamado de Deng Xiaoping árabe, em referência direta ao líder chinês considerado um dos principais responsáveis por colocar a China dentre as potências globais

Na Arábia Saudita, Bin Salman vem ampliando os direitos de civis mesmo sem promover a democratização no país.

Mulheres agora podem dirigir, o país ganhará salas de cinema e emitirá vistos para turistas.

Na política, dezenas de príncipes e ministros foram presos após uma investigação da comissão anticorrupção criada pelo novo líder.

Na economia, as novidades também devem ser radicais: antes a questão fiscal era restrita à relação entre cortes nos gastos e aumentos de impostos.

Agora, o governo deve anunciar subsídios a alguns setores, como o de energias renováveis e de infraestrutura, sem medo de investir para colher os benefícios depois.

A palavra “reforma” também deve ficar de fora do vocabulário, ainda mais depois de um bom resultado fiscal em 2017 — em 2016, o déficit saudita estava em 12,8% do PIB e caiu para 8,9% este ano. Está aberto o caminho para as mudanças.