Dez bares e restaurantes abriram por dia em SP desde o fim da quarentena

Balanço obtido com exclusividade pela EXAME mostra que foram criados 2.573 novos bares e restaurantes entre agosto de 2021 e março de 2022
Restaurante na cidade de São Paulo: vacinação alta e menos restrições fomentaram novas aberturas (Getty Images/Jonne Roriz/Bloomberg)
Restaurante na cidade de São Paulo: vacinação alta e menos restrições fomentaram novas aberturas (Getty Images/Jonne Roriz/Bloomberg)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 28/04/2022 18:52 | Última atualização em 29/04/2022 16:18Tempo de Leitura: 3 min de leitura

De acordo com dados da Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp), obtidos com exclusividade pela EXAME, 2.573 novos bares e restaurantes foram abertos no estado desde que o governo estadual decretou o fim da quarentena, em agosto do ano passado, até março deste ano. Este total equivale a uma média de 10,7 novos estabelecimentos por dia.

Ainda segundo a Jucesp, que é um órgão vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, o número equivale a dois terços de todo o saldo líquido de bares e restaurantes abertos nos 17 meses de vigência das restrições, de março de 2020 a julho de 2021.

Mesmo com a maior parte do ano com algum tipo de restrição, 2021 foi o ano em que o estado de São Paulo bateu recorde em abertura de empresas, com mais de 288 mil novos CNPJs, o maior número desde que os registros começaram, em 1998.

Para facilitar a abertura de empresas, a Jucesp implantou, em janeiro de 2021, o Balcão Único. Em operação restrita temporariamente à capital, o novo sistema registrou 17.885 empresas abertas no ano passado. A média de tempo para abrir empresa pelo sistema é de pouco mais de 1 hora.

Em 2021, o produto interno bruto (PIB) paulista registrou crescimento de 5,7%, índice superior ao do Brasil, que cresceu 4,6% no ano passado, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Quarentena e vacinação

São Paulo foi o primeiro estado do Brasil a adotar um modelo de quarentena para conter a covid-19, em março de 2020, logo após a confirmação dos primeiros casos da doença. As regras eram baseadas em fases e por região, levando em conta a situação epidemiológica de cada local.

Chegou à maior restrição quando foi decretado um toque de recolher, em fevereiro de 2021. Mas com o avanço da vacinação, a situação começou a ficar mais favorável à volta da normalidade.

Desde agosto de 2021, o governo de São Paulo decretou o fim da quarentena imposta pela pandemia de covid-19. Todos os estabelecimentos passaram a abrir com 100% da capacidade, sem qualquer restrição de horário. Na época, o uso de máscara continuou obrigatório, sendo liberado em ambientes abertos e fechados em março deste ano.

No último balanço feito pela Secretaria de Estado da Saúde, São Paulo imunizou mais de 86% da população com o esquema completo, de duas doses. A dose de reforço já foi aplicada em mais da metade dos paulistas. Nas crianças, a imunização completa passa dos 51%. A taxa de ocupação em leitos de UTI é de 20% em todo o estado.