Quarentena: SP tem maior abertura da economia desde o início da pandemia

O primeiro estado a imunizar uma pessoa contra a covid-19 no país atingiu, na segunda-feira, 16, a marca de 91% de toda a população adulta vacinada

Rua 25 de Março, no centro da cidade de São Paulo. (Eduardo Frazão/Exame)

Rua 25 de Março, no centro da cidade de São Paulo. (Eduardo Frazão/Exame)

GG

Gilson Garrett Jr

Publicado em 17 de agosto de 2021 às 06h00.

Última atualização em 17 de agosto de 2021 às 08h27.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

A partir desta terça-feira, 17, a quarentena no estado de São Paulo entra na fase de maior abertura da economia desde o início da pandemia de covid-19. Todos os estabelecimentos podem abrir com 100% da capacidade (antes eram 80%) e em qualquer horário. Apesar disso, o uso de máscara continua obrigatório, assim como o distanciamento de um metro entre as pessoas.

  • Já imaginou ter acesso a todos os materiais grátis da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal? Agora você pode: confira nossa página de conteúdos gratuitos.

Até então proibidos, feiras corporativas, convenções, congressos, exposições em museus e eventos sociais, como casamentos, jantares, festas de debutantes e formaturas, também estão liberados, seguindo os mesmos protocolos que valem para os estabelecimentos. Pistas de danças estão proibidas.

Casas de shows podem abrir desde que sejam na modalidade restaurante e garantindo o distanciamento. Shows de médio e grande porte, como em estádios, continuam proibidos, mas o estado realiza eventos-teste para avaliar os riscos de transmissão.

Casas noturnas, por enquanto, permanecem fechadas. A previsão é de que estes espaços voltem em novembro, somente para pessoas com esquema vacinal completo.

Desde abril deste ano, o governo de São Paulo abandonou a quarentena por fases e implementou o que chamou de “transição”, com uma reabertura gradativa. Diferentemente de outras etapas, optou por fazer uma regra única nos 645 municípios e cada prefeitura pôde implementar regras mais restritas, de acordo com o contexto local.

O que possibilitou a maior abertura econômica até o momento foi o avanço da vacinação. O primeiro estado a imunizar uma pessoa contra a covid-19 atingiu, na segunda-feira, 16, a marca de 91% de toda a população adulta, com mais de 18 anos, imunizadas com pelo menos a primeira dose. Mais de 28% dos paulistas estão com o esquema completo de duas doses - ou dose única - e totalmente protegidos.

Na capital, no último fim de semana foi realizado um mutirão para vacinar em especial os jovens de 18 a 20 anos. A “balada” da vacinação contou com show e imunização durante a madrugada. Durante 32 horas foram aplicadas 502 mil doses, o que fez a cidade atingir a marca de 98,5% dos adultos imunizados até a segunda-feira.

O reflexo direto dessa alta proporção de vacinados pode-se ver nos hospitais. As taxas de ocupação de leitos para pacientes com a covid-19 nunca estiveram tão baixos. Segundo dados da Secretaria da Saúde, a ocupação de UTI em todo estado é de 43%, e de 28% em leitos de enfermaria. Na grande São Paulo, 41% dos leitos de UTI estão ocupados.

Apesar das boas notícias, a equipe do Centro de Contingência da Covid-19 do estado de São Paulo alerta que ainda não é momento de relaxar. A variante Delta, mais transmissível, está circulando no Brasil e ainda não se sabe os efeitos dela a longo prazo. Além disso, há um grande esforço para a aplicação da segunda dose, e imunização de crianças e adolescentes.

Na quarta-feira, 18, começa uma nova fase da campanha de vacinação, com a aplicação das doses em adolescentes entre 17 e 12 anos. Até o momento, somente a Pfizer/BioNtech tem a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para imunizar este grupo.

No fim de julho, o Instituto Butantan pediu que a Anvisa libere a Coronavac para crianças e adolescentes na faixa entre 3 e 17 anos. A expectativa é de que este aval saia ainda esta semana.


Toda semana tem um novo episódio do podcast EXAME Política, que te deixa ainda mais informado sobre a covid-19. Disponível abaixo ou nas plataformas de áudio Spotify, Deezer, Google Podcasts e Apple Podcasts

Mais de Brasil

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Brasil bate recorde de conflitos no campo em 2023; indígenas são as maiores vítimas

Ruralistas veem chance de avanço na pauta anti-invasão com imbróglio entre Lira e governo Lula

Mais na Exame