Um plano para 2012: planejar menos

Estamos chegando ao final de mais um ano. Estamos chegando também no momento de fazer aquela “perguntinha chata”: você cumpriu as promessas que fez no final de 2010? Pelo menos algumas delas? Eu já imagino mais ou menos como será o final do ano (pelo menos o meu). Profissionais de finanças pessoais costumam ser bastante requisitados, principalmente pela mídia, nessa época de fim de ano. As perguntas são as mesmas: […] Leia mais
V
Você e o Dinheiro

Publicado em 14/10/2011 às 12:21.

Última atualização em 24/02/2017 às 09:48.

Estamos chegando ao final de mais um ano. Estamos chegando também no momento de fazer aquela “perguntinha chata”: você cumpriu as promessas que fez no final de 2010? Pelo menos algumas delas?

Eu já imagino mais ou menos como será o final do ano (pelo menos o meu). Profissionais de finanças pessoais costumam ser bastante requisitados, principalmente pela mídia, nessa época de fim de ano. As perguntas são as mesmas: o que fazer com o 13º salário, como se preparar para os gastos de início de ano (especialmente aquele monte de impostos e materiais escolares, para quem tem filhos) e como não “enfiar o pé na jaca” com os presentes de Natal e as festas de ano novo.

As respostas dos especialistas a essas perguntas também serão as mesmas do ano passado e do ano retrasado: o 13º salário deve ser utilizado prioritariamente para quitar dívidas, deve-se “pegar leve” nas compras de Natal para não começar o ano ainda mais endividado e também se deve adotar uma vida financeira mais disciplinada e equilibrada para não chegar ao final do ano seguinte tão “enrolado” quanto chegou ao final do ano atual.

Algumas pessoas ficam meio tristes e melancólicas quando chega essa época de final de ano. Para alguns, a tristeza vem da frustração por não terem conquistado os objetivos e metas que esperavam. Para outros, a tristeza vem da ausência de entes queridos. Para mim, o final de ano costuma ser uma boa época, mas fica uma certa frustração, uma sensação de que fiquei mais um ano “pregando no deserto”, falando da importância da disciplina financeira, do consumo consciente e ouvindo das pessoas que desta vez “tudo ia ser diferente”. Mais um ano chega ao fim e, mais uma vez, vejo pessoas passando por sérios desequilíbrios financeiros, os mesmos do ano passado, aqueles que elas prometeram que iriam resolver.

Para este ano tenho uma proposta: esqueça todos os planos mirabolantes, especialmente aqueles envolvendo dinheiro. Esqueça aquele projeto de mudar de emprego ou expandir seu negócio. Continue trabalhando por isso, mas não planeje – se acontecer aconteceu, simples assim. Não faça planos sobre coisas sobre as quais você não tem controle.

Tampouco crie metas ambiciosas ou extremamente agressivas que você não vai cumprir. Faça um único plano desta vez: ter uma vida financeira equilibrada e chegar ao final de 2012 em situação melhor do que em 2011. Esqueça questões pontuais, apenas concentre-se em adotar um novo estilo de vida.

Mas espera aí! 2012 não é o ano do fim do mundo? Bom, neste caso, é melhor esquecer esse plano também… vamos fazer um monte de dívidas e torrar tudo o que conseguirmos!

Uhmmmm… pensando bem, talvez essa história de fim de mundo seja apenas mais um planejamento furado… acho que corremos o sério risco de nos vermos aqui de novo no final do ano que vem.

Mas ao menos veja pelo lado bom, não precisamos nos sentir culpados por nossos planos que nunca são cumpridos, afinal até os maias sofriam com isso.

E, para não perder meu vício de otimismo incorrigível, que 2012 seja o ano da grande virada financeira para todos!