Lições dos bloqueios da Inglaterra

Embora alguns continuem inclinados a apontar os erros do governo, a explicação é mais complexa, e também contém importantes lições para o gerenciamento de crises futuras
 (Christopher Furlong/Getty Images)
(Christopher Furlong/Getty Images)
V
Visão GlobalPublicado em 27/01/2021 às 10:08.

CAMBRIDGE – O recente alerta do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, de que o início do atual terceiro bloqueio da Inglaterra não será como um "grande passe de mágica ", apesar da queda nas infecções e do alentador avanço do programa de vacinação contra o COVID-19 do país, não deveria ser uma surpresa para quem vem acompanhando a dinâmica estrutural do vírus. Então, por que o governo de Johnson não adotou essa abordagem durante os dois primeiros bloqueios do país?

Embora alguns continuem inclinados a apontar os erros do governo, a explicação é mais complexa, e também contém importantes lições para o gerenciamento de crises futuras.

Depois que o bloqueio inicial da Inglaterra na primavera passada impôs um repentino e poderoso freio nas interações sociais e prejudicou significativamente a economia, o governo do Reino Unido sentia-se ansioso para restaurar o dinamismo dos setores especialmente afetados. Por exemplo, lançou um esquema “Eat Out to Help Out” (Vamos comer fora para Ajudar), que oferecia descontos nas refeições em restaurantes, pubs e cafés durante o mês de agosto. Embora tenha sido menos permissivo quando o país saiu do segundo bloqueio em dezembro, o governo permitiu uma certa interação social e econômica e diminuiu ainda mais as restrições em grande parte do país na época do Natal.

Em ambos os casos, o governo subsequentemente precisou pisar no freio com o aumento das infecções e hospitalizações por COVID-19. Os esforços provisórios para desenvolver uma abordagem de compromisso por meio de um “sistema de camadas” de restrições diferenciadas regionalmente se mostraram problemáticos – especialmente porque limitar o movimento de pessoas era difícil. Isso, por sua vez, desencadeou um pesado processo de acusação, com muitos inicialmente questionando as mudanças frequentes na política governamental e as mensagens inevitavelmente confusas que se seguiam.

Mas desde que Johnson impôs um terceiro bloqueio em 5 de janeiro, o governo repetidamente sinalizou que, apesar da natureza revolucionária da implantação da vacina, a saída final será gradual, lenta e sujeita a muitas análises científicas e suas evidências. Da reabertura das escolas à retomada normal do comércio, o governo está administrando as expectativas de maneira consistente e prudente.

A melhor explicação de como o governo chegou à sua abordagem atual baseia-se em falhas de informação, metodologias de risco, sequenciamento incorreto, tendências comportamentais e o desejo político (e humano) de antecipar vitórias.

Com relação à informação, os enormes esforços de cientistas e profissionais de saúde durante o ano passado expandiram significativamente nossa compreensão sobre o COVID-19 e do vírus SARS-CoV-2 que o causa. Isso permitiu que as políticas de restrição passassem por uma evolução de fato, com uma estrutura simples de “ligado-desligado” dando lugar ao foco na gestão de “orçamentos de risco”.

Esse conhecimento se mostrou útil na transição do pós-bloqueio 1 para o pós-bloqueio 2. Por exemplo, aumentou a compreensão dos formuladores de políticas sobre as compensações envolvidas em manter as escolas abertas (uma das principais prioridades, visto que fechamentos representam ameaças altamente desiguais ao desempenho educacional) versus bares e restaurantes. Mais recentemente, melhorou nossa compreensão de como novas variantes mais contagiosas do coronavírus reduzem substancialmente o orçamento geral de risco da sociedade na tentativa de equilibrar a saúde pública, a retomada das interações econômicas e sociais e o respeito pelos direitos e liberdades individuais.

O sequenciamento incorreto também pode ter desempenhado um papel. A insustentabilidade das abordagens anteriores de reabertura do governo do Reino Unido foi agravada pela falta de suficiente progresso nas principais medidas de resposta à pandemia, como testes, rastreamento e auto isolamento. As baixas taxas de infecção alcançadas a um custo considerável durante os dois primeiros bloqueios, portanto, não puderam ser sustentadas, aumentando rapidamente a pressão sobre hospitais e profissionais de saúde.

Muitos argumentaram que a indecisa liderança agravou as oscilações políticas resultantes do governo. Mas as inversões de marcha, na verdade, se devem muito às armadilhas comportamentais clássicas, que são especialmente traiçoeiras em tempos de radical incerteza.

A inércia na deliberação frequentemente se materializa nas fases iniciais de uma situação altamente fluida, assim como a grande tentação seguinte de simplesmente voltar rapidamente às anteriores zonas de conforto. Os preconceitos de omissão e otimismo aumentam os desafios, especialmente se o enquadramento geral for parcial – como foi o caso com a fraca narrativa de "vidas versus meios de subsistência" que inicialmente dominou grande parte do debate do bloqueio mundial.

A reverência de Johnson pelos direitos individuais também pode ter contribuído para as reaberturas excessivamente rápidas. Um fator final, e em grande parte inevitável, foi o curto prazo político. Isso repetidamente tropeçou nas políticas de muitos governos que precisam ser implementadas ao longo do tempo, incluindo reformas estruturais essenciais cujos importantes benefícios de longo prazo são frequentemente precedidos por custos de ajuste de curto prazo.

A tentação compreensivelmente forte dos políticos de buscar vitórias antecipadas muitas vezes leva a declarações prematuras de "missão cumprida". Quando o ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou em 1º de maio de 2003, com grande alarde a bordo do USS Abraham Lincoln, que os Estados Unidos haviam concluído suas principais operações de combate no Iraque, a luta estava, na realidade, longe do fim.

Tomar decisões consistentemente acertadas em uma crise e sob incerteza radical é realmente muito difícil. Em vez de uma abordagem explosiva e decisiva, isso requer uma série de repetições e reações no meio do processo em resposta aos desenvolvimentos em rápido andamento no campo. O forte desejo de evitar erros muitas vezes é difícil de ser atingido. Enquanto isso, aqueles que sofrem com a crise enfrentam uma série de desafios, incluindo o inevitável "cansaço das regras".

A resposta em evolução do Reino Unido à pandemia de COVID-19 segue um padrão visto em várias crises anteriores em todo o mundo e  destaca a necessidade de manter a mente aberta, pensar analiticamente em termos de orçamentos de risco, distinguir cuidadosamente entre erros recuperáveis ​​e não recuperáveis ​​e tomar medidas iniciais ativas para minimizar as comuns armadilhas comportamentais. Quanto mais nos conscientizarmos dessas questões em tempo real, maior a possibilidade de melhorar nossas abordagens de gerenciamento de crises no futuro.

 

Mohamed A. El-Erian é Consultor Chefe de Economia na Allianz, Presidente do Queens’ College, da Universidade de Cambridge,  foi Presidente do Conselho para o Desenvolvimento Global do Gabinete do Presidente Barack Obama e autor do livro The Only Game in Town: Central Banks, Instability, and Avoiding the Next Collapse.  (O Único Jogo da Cidade: Bancos Centrais, Instabilidade e Evitando O Próximo Colapso).

 Direitos Autorais: Project Syndicate, 2021. www.project-syndicate.org