O Bem-Amado e a crise do coronavírus

Uma hipotética entrevista com Odorico Paraguaçu em tempos de pandemia
 (TV Globo/Divulgação)
(TV Globo/Divulgação)
S
Sérgio Cavalcanti

Publicado em 06/06/2020 às 15:32.

Última atualização em 09/06/2020 às 11:46.

- Caro Prefeito, é um prazer recebê-lo e contar com sua experiência e sabedoria em tempos tão difíceis.

- Agradeço e espero justificar a merecedência de tão honroso convite.

- Como o senhor ver a situação atual do país?

- Muito dificultosa.

- É apenas muito azar ou é falta de uma elite do tamanho do país?

- Falar mal da elite é coisa da esquerda badernista, desaforista e subversenta. Além do mais a responsabilidade de construcionismo do país é de todo cidadão.

- Mas a classe política, Prefeito…

- Essa obviamente não é composta de donzelas praticantes mas há maucaratismo talqualmente em todos os poderes.

- O que o senhor acha do Bolsonaro?

- Esse senhor não conta com a adulância da imprensa lida, olhada e escutada. Parece que têm sempre uma visão negativista de tudo que ele faz ou diz. Sou empatiado com ele pois já sofri na pele com implicância parecida.

- Não me parece por acaso, Prefeito.

- O acaso não existe em política, meu jovem.

- Voltando ao assunto, parece que o presidente conta apenas com as redes sociais.

- Pra mim essa coisa de rede social é a acarajeização da política.

- Pode elaborar mais sobre isso?

- Quando existe muito falacionismo e pouco ouvidismo ninguém se entende. Na minha época já dava trabalho calar um jornal apenas.

- Mas a democracia não existe sem uma imprensa livre!

- Isso soa bem, emboramente a vida exija maior meticulância com a realidade.

- Na sua época atribuíam ao senhor a ideia de uma Democratura.

- Essa ideia surgiu em confabulâncias sigelentas mas a conversa vazou e a imprensa publicou. Admito que estava adiante do meu tempo.

- Como seria possível uma Democratura, Prefeito?

- Aquele rapaz americano da empresa da maçã?

- O Steve Jobs?

- Esse mesmo! Ele falava que não acreditava em pesquisa de mercado porque os clientes não sabem o que querem. É preciso o invencionismo se juntar com a inteligência para criar algo trepidante e dinamitoso.

- O senhor está dizendo que o povo não sabe o que quer?

- O povo é pacatista e quer apenas o alimento fermentado de trigo e malabarismos.

- Soa antigo e retrógrado, Prefeito.

- O que é maquiavelento e funciona nunca soa bem quando falado.

- As pesquisas indicam que o senhor tem chances como candidato à presidência em 2022.

- Com a alma lavada e enxaguada recebi o resultado dessa pesquisa mas o meu tempo já passou. O partido precisa de alguém diferente para deixar o país exatamente como está.

- Tudo igual?

- Sim, não corremos o menor risco de dar certo. Somos os americanos ao contrário?

- Como assim.

- Sempre repetimos a mesma fórmula errada esperando um resultado diferente. Ficamos sempre nos entretanto e nunca chegamos aos finalmente.

PS: Esse conto é uma singela homenagem ao grande gênio Dias Gomes, que soube como poucos retratar a alma e o caráter da sociedade brasileira.