Ciência

Vacina contra coronavírus, estimada para setembro, começa a ser testada

Feito por pesquisadores da Universidade de Oxford, o projeto de vacina terá apoio do governo britânico

Coronavírus: vírus se liga a células ACE-2 do corpo humano, segundo cientistas (Radoslav Zilinsky/Getty Images)

Coronavírus: vírus se liga a células ACE-2 do corpo humano, segundo cientistas (Radoslav Zilinsky/Getty Images)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 23 de abril de 2020 às 05h55.

Última atualização em 23 de abril de 2020 às 13h52.

O Reino Unido começa nesta quinta-feira (23) a testar em humanos uma vacina contra o novo coronavírus. Desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Oxford, a vacina terá apoio do governo britânico, que concederá 20 milhões de euros, e também do Imperial College, que concederá mais 22,5 milhões de euros.

A meta dos pesquisadores da Universidade de Oxford é produzir milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus no mês de setembro deste ano, considerando que tudo saia como esperado nos testes.

Animado com a possibilidade de o país ser o primeiro a criar uma vacina contra o novo coronavírus, o secretário de saúde do Reino Unido, Matt Hancock, afirmou que o governo investirá na fabricação de vacinas e que elas estarão disponíveis para a população do país assim que possível, considerando que os testes deem certo.

A pesquisa sobre a nova vacina contra a doença chamada covid-19, causada pelo novo coronavírus, começou em fevereiro neste ano. Apenas dois meses mais tarde, ela já foi aprovada para testes em humanos. Os participantes do estudo clínico terão entre 18 e 55 anos de idade.

A vacina precisará ser testada em diferentes grupos de pessoas e em diferentes países para garantir resultados representativos. O motivo para isso, segundo Sarah Gilbert, que lidera o estudo, é que as taxas de infecção variam muito de lugar para lugar, em razão da adoção de medidas preventivas.

O teste envolverá 510 pessoas até maio deste ano e os pesquisadores almejam oferecer as primeiras vacinas para profissionais da saúde, que estão na linha de frente de combate da pandemia, a partir do mês de setembro. O estágio final dos testes, previsto para o segundo semestre, chegará a 5.000 participantes.

Em uma previsão mais conservadora, a farmacêutica Roche estima que uma vacina contra o novo coronavírus só chegará ao final de 2021.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem 70 vacinas em desenvolvimento contra o novo vírus. Poucas estão em testes em humanos. Há duas nos Estados Unidos; uma feita pela empresa de Hong Kong CanSino Biologics e pelo Instituto de Biotecnologia de Pequim; uma da Pfizer na Alemanha; e, agora, uma no Reino Unido.

Devido à série de testes clínicos necessários para a aprovação de uma vacina, que será aplicada em ampla escala, o tempo de desenvolvimento médio é de dez anos. A vacina mais rapidamente criada foi a contra o vírus ebola, que levou cinco anos para chegar ao mercado, em 2019.

 

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusEXAME-no-InstagramReino UnidoVacinas

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame