Ciência

Vacina contra coronavírus, estimada para setembro, começa a ser testada

Feito por pesquisadores da Universidade de Oxford, o projeto de vacina terá apoio do governo britânico

Coronavírus: vírus se liga a células ACE-2 do corpo humano, segundo cientistas (Radoslav Zilinsky/Getty Images)

Coronavírus: vírus se liga a células ACE-2 do corpo humano, segundo cientistas (Radoslav Zilinsky/Getty Images)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 23 de abril de 2020 às 05h55.

Última atualização em 23 de abril de 2020 às 13h52.

O Reino Unido começa nesta quinta-feira (23) a testar em humanos uma vacina contra o novo coronavírus. Desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Oxford, a vacina terá apoio do governo britânico, que concederá 20 milhões de euros, e também do Imperial College, que concederá mais 22,5 milhões de euros.

A meta dos pesquisadores da Universidade de Oxford é produzir milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus no mês de setembro deste ano, considerando que tudo saia como esperado nos testes.

Animado com a possibilidade de o país ser o primeiro a criar uma vacina contra o novo coronavírus, o secretário de saúde do Reino Unido, Matt Hancock, afirmou que o governo investirá na fabricação de vacinas e que elas estarão disponíveis para a população do país assim que possível, considerando que os testes deem certo.

A pesquisa sobre a nova vacina contra a doença chamada covid-19, causada pelo novo coronavírus, começou em fevereiro neste ano. Apenas dois meses mais tarde, ela já foi aprovada para testes em humanos. Os participantes do estudo clínico terão entre 18 e 55 anos de idade.

A vacina precisará ser testada em diferentes grupos de pessoas e em diferentes países para garantir resultados representativos. O motivo para isso, segundo Sarah Gilbert, que lidera o estudo, é que as taxas de infecção variam muito de lugar para lugar, em razão da adoção de medidas preventivas.

O teste envolverá 510 pessoas até maio deste ano e os pesquisadores almejam oferecer as primeiras vacinas para profissionais da saúde, que estão na linha de frente de combate da pandemia, a partir do mês de setembro. O estágio final dos testes, previsto para o segundo semestre, chegará a 5.000 participantes.

Em uma previsão mais conservadora, a farmacêutica Roche estima que uma vacina contra o novo coronavírus só chegará ao final de 2021.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem 70 vacinas em desenvolvimento contra o novo vírus. Poucas estão em testes em humanos. Há duas nos Estados Unidos; uma feita pela empresa de Hong Kong CanSino Biologics e pelo Instituto de Biotecnologia de Pequim; uma da Pfizer na Alemanha; e, agora, uma no Reino Unido.

Devido à série de testes clínicos necessários para a aprovação de uma vacina, que será aplicada em ampla escala, o tempo de desenvolvimento médio é de dez anos. A vacina mais rapidamente criada foi a contra o vírus ebola, que levou cinco anos para chegar ao mercado, em 2019.

 

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusEXAME-no-InstagramReino UnidoVacinas

Mais de Ciência

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

Mais na Exame