Ciência

Redução da camada de gelo no Oceano Antártico bate recorde

Em 44 anos de observações por satélite da camada de gelo da Antártica, o recorde mínimo mensal foi medido em fevereiro de 2022, com menos de 2 milhões de km²

No continente austral, que experimentou temperaturas recordes em 2022, a extensão de gelo marinho era, em janeiro, 31% inferior à média (AFP/AFP Photo)

No continente austral, que experimentou temperaturas recordes em 2022, a extensão de gelo marinho era, em janeiro, 31% inferior à média (AFP/AFP Photo)

A

AFP

Publicado em 8 de fevereiro de 2023 às 12h17.

Última atualização em 8 de fevereiro de 2023 às 12h29.

A redução estival do manto de gelo no Oceano Antártico atingiu um recorde em janeiro, muito superior ao anterior, registrado em janeiro de 2017, anunciou o Observatório de Mudança Climática Copernicus (C3S), da União Europeia, nesta quarta-feira, 8.

No continente austral, que experimentou temperaturas recordes em 2022, a extensão de gelo marinho era, em janeiro, 31% inferior à média, o nível mais baixo já alcançado em um primeiro mês do ano, detalha o observatório.

Em 44 anos de observações por satélite da camada de gelo da Antártica, o recorde mínimo mensal foi medido em fevereiro de 2022, com menos de 2 milhões de km², segundo o centro de pesquisa americano National Snow and Ice Data Center.

No outro lado do mundo, no Polo Norte, onde é inverno na mesma época, também se observou uma extensão de gelo abaixo da média no Ártico: 4% abaixo do normal. Segundo o Copernicus, é a terceira medição mais baixa para um mês de janeiro.

O derretimento das camadas de gelo dos oceanos acelera o aquecimento global. Ao funcionar como um espelho, o gelo marinho reflete a maior parte da energia do sol, mas, ao derreter, fica uma superfície escura que absorve a radiação solar e aquece a água

Acompanhe tudo sobre:Oceanos

Mais de Ciência

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

Mais na Exame