Ciência

Nasa revela astronautas que vão viajar ao redor da Lua em 2024

Uma deles será a primeira mulher a voar ao redor do satélite natural

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 3 de abril de 2023 às 19h20.

Última atualização em 3 de abril de 2023 às 19h21.

Três astronautas americanos - entre eles um homem negro e uma mulher -, além de um canadense voarão ao redor da Lua no fim de 2024 na missão Artemis II, anunciou a Nasa nesta segunda-feira, 3, na retomada das viagens ao satélite natural da Terra depois de meio século.

Os três astronautas da agência espacial americana, Reid Wiseman (comandante), Victor Glover (piloto) e Christina Koch (especialista) já passaram tempo na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), enquanto Jeremy Hansen (especialista), da Agência Espacial Canandense (CSA), realizará sua primeira viagem ao espaço.

Koch, de 44 anos, uma engenheira eletricista que participou das primeiras caminhadas espaciais exclusivamente femininas enquanto estava na ISS, será a primeira mulher a voar em torno da Lua.

“Estou emocionada? Absolutamente. Mas minha verdadeira pergunta é: estão emocionados? Pergunto porque me emociona que levaremos seu entusiasmo, suas aspirações, seus sonhos conosco nesta missão Artemis II, sua missão”, disse ela diante de um entusiasmado público no hangar do aeroporto Ellington, que serve ao centro espacial Johnson da Nasa em Houston, Texas.

Como parte do programa Artemis, a Nasa tem como objetivo enviar astronautas à superfície da Lua em 2025, mais de cinco décadas após as históricas missões Apolo, em 1972. Na missão de novembro de 2024, a tripulação vai dar voltas ao redor do satélite, sem pousar.

A agência espacial americana espera estabelecer uma presença humana duradoura na superfície lunar em médio prazo e, por fim, enviar uma missão a Marte.

Os astronautas Jeremy Hansen, Victor Glover, Reid Wiseman e Christina Koch foram escolhidos para a missão Artemis II, que voará ao redor da Lua (AFP/Reprodução)

“Mensagem para o mundo”

Os quatro astronautas, vestidos com trajes de voo azuis, foram apresentados pelo administrador da Nasa, Bill Nelson. “O maior e mais poderoso foguete do mundo vai impulsioná-los ao céu”, afirmou.

“É uma mensagem para o mundo. Escolhemos voltar à Lua e depois ir a Marte e vamos fazê-lo juntos. Porque no século XXI, a Nasa explora o Cosmos com parceiros internacionais", comentou Nelson.

Wiseman, de 47 anos, um piloto de combate da Marinha dos Estados Unidos que anteriormente atuou como astronauta-chefe da Nasa, foi nomeado comandante da missão Artemis II.

O comandante agradeceu “o incrível apoio político” recebido por essa missão, que servirá “para unir nosso país, unir todo o mundo, explorar para chegar a Marte e além”.

Glover, de 46 anos, também aviador naval e o primeiro homem negro a passar um tempo como membro da tripulação da ISS, será o piloto do voo.

“Espero que possamos seguir servindo como fonte de inspiração para a cooperação e a paz, não apenas entre as nações, mas também nossa própria nação”, declarou.

Koch, a única mulher na tripulação da Artemis II, e Hansen, um piloto de combate de 47 anos das forças armadas canadenses, servirão como especialistas da missão.

A astronauta Christina Koch será a primeira mulher a voar ao redor da Lua (AFP/Reprodução)

Marte em 2040

Nelson, o chefe da Nasa, disse que espera uma missão tripulada a Marte para o ano de 2040. A Artemis II, de 10 dias, testará o poderoso foguete Space Launch System, assim como os sistemas de suporte vital a bordo da nave Orion.

O primeiro voo da Artemis foi realizado entre novembro e dezembro de 2022, com uma cápsula Orion não tripulada, que retornou a salvo para a Terra depois de uma viagem de 25 dias em volta da Lua.

Durante essa jornada, a Orion percorreu mais de 2 milhões de quilômetros e se afastou mais do nosso planeta que qualquer nave espacial anterior preparada para transportar tripulantes.

Apenas 12 pessoas, exclusivamente homens brancos, já pisaram no satélite natural da Terra.

“É mais que só o retorno à Lua, é sobre investir no futuro, é sobre possibilidades, é sobre aproveitar as oportunidades desta economia espacial, da saúde até a segurança alimentar, as mudanças climáticas e muito mais”, afirmou, por sua vez, o ministro da Inovação, Ciência e Indústria do Canadá, François-Philippe Champagne, presente na cerimônia.

Acompanhe tudo sobre:NasaAstronautasEspaço

Mais de Ciência

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Aranhas em marte? Fenômeno cria 'aracnídeos' no planeta vermelho

Mais na Exame