Ciência

Cura do HIV: homem é o quarto paciente curado no mundo

Paciente de 66 anos recebeu transplante de medula óssea e entrou em remissão após viver com a doença desde 1980

HIV: homem de 66 anos é quarto caso de paciente curado no mundo (NurPhoto / Contributor/Getty Images)

HIV: homem de 66 anos é quarto caso de paciente curado no mundo (NurPhoto / Contributor/Getty Images)

LP

Laura Pancini

Publicado em 27 de julho de 2022 às 18h33.

Última atualização em 27 de julho de 2022 às 19h10.

Um homem americano que não quis ser identificado parece ser o quarto caso de um paciente curado do HIV.

Para tratar leucemia no sangue, e não o vírus da imunodeficiência humana, ele recebeu um transplante de medula óssea de um doador que era naturalmente resistente ao vírus.

A notícia foi divulgada nesta quarta-feira, 27, durante a Conferência Internacional de Aids, que acontece no Canadá.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Conhecido como o paciente da "Cidade da Esperança", o homem de 66 anos recebeu esse nome devido ao hospital onde foi tratado em Duarte, cidade na Califórnia.

Ano passado, o paciente fez tratamento e recebeu o transplante de medula óssea para substituir as células cancerosas no sangue. Por coincidência, o doador era resistente ao HIV.

"Quando fui diagnosticado com HIV em 1988, como muitos outros, pensei que era uma sentença de morte. Nunca pensei que viveria para ver o dia em que não tivesse mais HIV", disse o homem em comunicado.

LEIA TAMBÉM: Vacina do HIV: 97% dos voluntários geram anticorpos em 1° teste

A primeira pessoa curada do HIV foi Timothy Ray Brown, ou o "Paciente de Berlim", em 2011. Outros três casos aconteceram nos últimos três anos, mas o paciente da Cidade da Esperança é o mais velho e o que vive com a doença há mais tempo — desde a década de 1980.

Qual a relação entre a medula óssea e o HIV?

O vírus do HIV entra nos glóbulos brancos do nosso corpo através da proteína CCR5. Pense nela como um tipo de "porta" microscópica: algumas pessoas têm ela fechada por conta de mutações, como é o caso do doador da medula óssea, o que impede a entrada do HIV.

Portanto, após o transplante da medula óssea, é como se o paciente tivesse trocado sua porta aberta por uma fechada.

Hoje em dia, ele está em remissão há mais de 17 meses, o que significa que os níveis de HIV se tornaram indetectáveis no corpo.

LEIA TAMBÉM: Pesquisadores encontram grupo raro que pode ser chave para cura do HIV

No entanto, o caso não quer dizer que os outros 38 milhões de infectados terão o mesmo resultado. Como o paciente estava tratando a leucemia no sangue, e não o HIV, o procedimento não é indicado para qualquer pessoa — e tem sérios efeitos colaterais.

A terapia genética pode acabar sendo a resposta. Pesquisadores estão procurando formas de "fechar a porta" da proteína CCR5 voluntariamente através desse tipo de tratamento.

Acompanhe tudo sobre:AidsPesquisas científicas

Mais de Ciência

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Mais na Exame