Ciência

Cientistas pedem que você pare de trocar de celular

O uso de elementos químicos na produção de celulares coloca em escassez os recursos naturais da Terra

Recursos naturais: disponibilidade de elementos químicos é reduzida devido à alta produção de smartphones (Bloomberg/Bloomberg)

Recursos naturais: disponibilidade de elementos químicos é reduzida devido à alta produção de smartphones (Bloomberg/Bloomberg)

ME

Maria Eduarda Cury

Publicado em 29 de junho de 2019 às 09h50.

São Paulo - Em 2019, a tabela periódica comemorou seu aniversário de 150 anos. Em decorrência disso, cientistas fizeram uma nova versão onde a crescente escassez de elementos utilizados diariamente é destacada. Alguns deles foram os metais prata, gálio, arsênio e cobalto - todos utilizados na produção de aparelhos eletrônicos, como os celulares. 

Por exemplo, um único iPhone pode conter 25 gramas de alumínio, 15g de cobre e 0,34g de prata. Se em 2017 mais de 223 milhões de smartphones da Apple foram vendidos, cerca de 5,5 milhões de gramas de alumínio foram utilizadas. Levando em conta que o ciclo de vida de um iPhone dura, em média, dois anos, essas milhões de gramas já estão sendo substituídas por outras milhões.

A tabela abaixo, desenvolvida por estudiosos da Universidade de St Andrews, na Escócia, e da European Chemical Society, categoriza todos os elementos químicos a partir da sua disponibilidade no planeta Terra. Os mais conhecidos, como alumínio, oxigênio, sódio, entre outros, estão em destaque na parte de cima.

Laranja-escuro: grande ameaça de escassez nos próximos 100 anos; Laranja-claro: risco de escassez aumentando; Amarelo: disponibilidade limitada; Verde: estoque abundante; Branco: sintéticos; Cinza: minerais presentes em locais de guerra; Os elementos que possuem o telefone celular são utilizados na produção destes. Crédito: Universidade de St, Andrews/EuChemS

A divisão por cores facilita a identificação de elementos que estão em perigo e daqueles cuja disponibilidade ainda é grande. Os pesquisadores ressaltaram que os recursos, no entanto, não se esgotarão literalmente. O que tende a acontecer é que a colheita desses metais e minerais se tornará mais difícil, visto que estarão mais espalhados em poucas quantidades pelo mundo.

A única exceção é o hélio, gás nobre, Esse elemento possui uma composição química tão leve que é capaz de escapar da atmosfera e acabar se perdendo no espaço. O hélio é especialmente utilizado para ímãs. máquinas de ressonância magnética e para diluir o oxigênio em tanques de mergulhadores.

Dos metais bastante ameaçados, os pesquisadores destacam o fósforo (P), o índio (In) e o Lítio (Li). O índio é usado em telas inteligentes como parte de uma película condutora transparente de óxido de estanho e índio. Com base nas taxas atuais de uso e colheita, o elemento será quase totalmente usado em 50 anos e, então, se tornará extremamente caro.

Já o fósforo é utilizado especialmente no corpo humano - como para a formação de ossos e dentes. Uma parte significativa dos minerais de fosfato que usamos acaba em escoamento de campos ou esgoto humano. O lítio é usado em baterias recarregáveis ​​e é relativamente fácil de reciclar.

A tabela periódica modificada foi divulgada em 22 de janeiro no Parlamento Europeu, pelos parlamentares britânicos Catherine Stihler e Clare Moody.

Acompanhe tudo sobre:CelularesPlaneta TerraQuímica (ciência)

Mais de Ciência

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Mais na Exame