Ciência

Cientistas criam DNA humano sintético usando inteligência artificial

A equipe de pesquisa acredita que a ferramenta pode ser útil para experimentar com genética sem comprometer a vida de pessoas reais

Inteligência artificial: para criar o DNA sintético, os pesquisadores utilizaram o GAN (metamorworks/Getty Images)

Inteligência artificial: para criar o DNA sintético, os pesquisadores utilizaram o GAN (metamorworks/Getty Images)

LP

Laura Pancini

Publicado em 10 de fevereiro de 2021 às 14h46.

Última atualização em 10 de fevereiro de 2021 às 14h47.

A inteligência artificial (IA) acaba de ir um passo além. Uma equipe de cientistas da da Universidade Paris-Saclay, da França, e da Universidade de Tartu, da Estônia, conseguiram criar um algoritmo que gera sequências de DNA de pessoas inexistentes.

Para criá-lo, a equipe usou um tipo de IA chamado Generative Adversarial Network (GAN, ou rede adversária generativa em português). O GAN é composto de dois algoritmos que geram rapidamente algum tipo de resultado, verificam seu trabalho com comparações a exemplos do mundo real e refinam conforme se desenvolvem.

Com ele, a equipe conseguiu replicar genomas humanos realistas que, de acordo com eles, são indistinguíveis do DNA verdadeiro — a única diferença é que são totalmente sintéticos.

Os pesquisadores acreditam que o projeto pode ser usado como uma ferramenta para geneticistas de pesquisa, que podem experimentar com genética sem comprometer a ética científica ou a vida de pessoas reais.

Para um geneticista não relacionado ao estudo, a novidade pode não ser tão revolucionária assim. Em entrevista ao Futurism, ele afirma que ainda existem muitas dúvidas sobre o genoma humano e o que diferentes partes dele fazem e significam. Portanto, não é muito viável juntá-lo a um algoritmo que aprende a partir de exemplos.

A questão, portanto, é se o DNA sintético se tornaria realmente uma sequência humana genética funcional. “No que diz respeito a compilar isso em um humano, definitivamente não vejo o caminho para isso”, disse Deanna Church, vice-presidente da empresa de biotecnologia Inscripta, ao Futurism. “Há um longo caminho entre a geração computacional de sequências do genoma até sua conversão em uma célula humana.”

Acompanhe tudo sobre:DNAInteligência artificial

Mais de Ciência

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Mais na Exame