Acompanhe:

Fabricantes pretendem acabar com carros poluentes até 2040

Ford, Mercedes-Benz, General Motors e Volvo, que anteriormente haviam anunciado compromissos para descontinuar a fabricação de carros com motores de combustão interna, assinaram o texto

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (AFP/AFP)

(AFP/AFP)

A
AFP

Publicado em 10 de novembro de 2021 às, 13h05.

Última atualização em 10 de novembro de 2021 às, 13h05.

Países e fabricantes de veículos afirmaram nesta quarta-feira (10) que estão dispostos a interromper a fabricação de veículos com motores de combustão em 2040, embora as cinco principais marcas do setor não tenham assinado o comunicado. 

O anúncio foi feito durante a conferência sobre mudanças climáticas COP26, em Glasgow, presidida pelo Reino Unido, que afirmou no texto que os signatários se comprometeram a vender apenas carros com emissão zero de gases de efeito estufa a partir de 2040, e "em 2035 nos principais mercados".

O objetivo é "atingir a padronização de veículos com emissão zero, garantindo que sejam acessíveis, baratos e sustentáveis em todas as regiões até 2030".

No entanto, nem China, Estados Unidos, Alemanha, Japão ou Índia assinaram a promessa. Toyota, Volkswagen e Renault-Nissan-Mitsubishi também não estavam na lista.

Ford, Mercedes-Benz, General Motors e Volvo, que anteriormente haviam anunciado compromissos para descontinuar a fabricação de carros com motores de combustão interna, assinaram o texto.

O transporte rodoviário é responsável por cerca de 20% de toda a poluição causada pelo homem. Em um compromisso separado, o Reino Unido indicou que planeja encerrar a produção de veículos pesados a diesel entre 2035 e 2040.

"Este dia representa um momento muito especial ... governos em todo o mundo estão comprometidos em vender carros, vans e veículos pesados 100% livres de emissões", disse o ministro britânico dos Transportes, Grant Shapps.

Para o diretor executivo do Greenpeace Alemanha, Martin Kaiser, é "gravemente preocupante" que os principais países e fabricantes não tenham assinado o pacto.

“Para acabar com os combustíveis fósseis, temos que cortar nossa dependência. Isso significa abandonar os motores de combustão em favor dos carros elétricos e criar redes de transporte público limpas o mais rápido possível”, disse ele.

A Toyota defendeu sua decisão, alegando que seu atual modelo de negócios torna esse compromisso "difícil".

Kohei Yoshida, chefe da divisão de veículos elétricos da Toyota, disse à AFP que havia "muitas maneiras" de "trabalhar a neutralidade de carbono" além do pacto.

Últimas Notícias

Ver mais
Chile lança PPPs para atrair investidores e expandir 5 projetos de lítio em 2 anos
ESG

Chile lança PPPs para atrair investidores e expandir 5 projetos de lítio em 2 anos

Há um dia

Elon Musk anuncia que Tesla vai demitir mais de 10% dos funcionários, diz Reuters
seloMercados

Elon Musk anuncia que Tesla vai demitir mais de 10% dos funcionários, diz Reuters

Há um dia

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses
Mundo

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses

Há 2 dias

Este carro de R$ 529 mil teve 150 unidades vendidas em menos de uma hora no Brasil
Casual

Este carro de R$ 529 mil teve 150 unidades vendidas em menos de uma hora no Brasil

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais