Acompanhe:
seloCarreira

Trabalhadores serão obrigados a trabalhar em feriado em 2024?

Governo suspende portaria que restringe trabalho em feriados e vai negociar outro texto para entrar em vigor em 2024. Plano é submeter decisão a sindicatos, mas varejistas são contra

Modo escuro

Continua após a publicidade
Marinho decidiu então se antecipar a esse movimento e suspender a medida (Valter Campanato/Agência Brasil)

Marinho decidiu então se antecipar a esse movimento e suspender a medida (Valter Campanato/Agência Brasil)

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, decidiu ontem que a portaria que restringe o trabalho de funcionários do comércio em feriados será revogada. Um novo texto será editado, para entrar em vigor em março, e, em paralelo, será criado um grupo de trabalho para discutir o conteúdo do texto.

Até lá, ficará em vigor a lei anterior, que facilita o trabalho nessas datas, mas um grupo de trabalho será criado para dar conta do embate que se criou entre governo e varejistas, que são contrários às restrições ao funcionamento de lojas e supermercados em feriados.

"Passa a valer o que era antes, a portaria de 2021. Vamos editar uma nova, que entrará em vigor em março. Até lá, vamos negociar. Pode ser que o texto fique igual, pode ser que seja alterado", afirmou Marinho.

Acordo prévio coletivo

Na semana passada, uma portaria do Ministério do Trabalho determinou a necessidade de acordo prévio coletivo conduzido por sindicatos para que lojas possam abrir em feriados, o que provocou forte reação negativa de entidades ligadas ao comércio e uma mobilização no Congresso para a derrubada da decisão com um decreto legislativo.

Marinho decidiu então se antecipar a esse movimento e suspender a medida. Segundo ele, houve entendimento errado da portaria, que irá restringir apenas os feriados a novos critérios, e não os domingos. Uma nota será divulgada pelo ministério com mais detalhes sobre a decisão.

"Estamos falando de portaria que regula processo de funcionamento do comércio aos feriados, tão somente. Ela é clara e transparente, os domingos estão legislados por lei. Uma portaria de 2021, essa sim contrariando a lei, deu entendimento de que os feriados também não teriam necessidade [de acordo coletivo prévio com sindicatos] e o patrão da loja poderia na véspera falar para [o empregado] ir trabalhar", afirmou.

O ministro voltou a reafirmar que o trabalho aos feriados precisa ser regulado, mas que o grupo de trabalho com representantes do governo, trabalhadores e entidades empresariais irá ajudar na definição do novo texto.

O que o comércio propõe?

Empresários do comércio devem propor ao governo federal que a nova redação da portaria que limita o trabalho no setor nos feriados tenha regras específicas para estabelecimentos considerados essenciais. Eles pretendem atuar no grupo de trabalho que vai discutir o conteúdo de uma nova versão do texto, para entrar em vigor em março.

De acordo com o vice-presidente administrativo da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Antonio Florencio de Queiroz Junior, a entidade levou ao governo a proposta de postergar por 90 dias a entrada em vigor da publicação, para que ajustes sejam feitos.

Ele diz que uma das prioridades é que o texto seja mais específico sobre o funcionamento de estabelecimentos essenciais, como farmácias, supermercados, postos de gasolina e hotéis.

O presidente da Fecomercio-RJ, Queiroz Junior, também afirmou que a primeira reunião do grupo de trabalho — com representantes do governo, trabalhadores e entidades empresariais — deve acontecer já na próxima quarta-feira, dia 29, na cidade do Rio.

Um dos argumentos dos empresários foi a insegurança jurídica trazida pela publicação. Ainda de acordo com Queiroz Junior, em reunião com o governo, o setor ponderou que a necessidade de convenção coletiva entre os sindicatos dos trabalhadores e o patronal tratando do trabalho nos feriados seria um impasse em estados como o Acre e o Amazonas, onde, segundo ele, não existem entidades representativas dos trabalhadores do comércio.

Ele aponta como saída que o novo texto da portaria crie alternativas para a negociação:

"O Brasil é um país de dimensões continentais. Algumas regiões têm realidades econômicas e de negociação muito diferentes. No Rio e em São Paulo, por exemplo, o impacto não seria tão grande porque já existem nas convenções coletiva as regras de trabalho nos feriados, mas isso não ocorre em outros locais. Um caminho pode ser permitir que federações e confederações firmem as convenções nos locais que não tenham o sindicado laboral".

O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Galassi, defendeu que atividades essenciais não devem ser reguladas através de acordos coletivos.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
"Há 3 caminhos para ser advogado nos EUA", diz brasileira que apostou na carreira internacional
seloCarreira

Brasileira ensina 3 formas de se tornar advogado nos EUA

Há 7 horas

5 Perguntas Cruciais para o Sucesso no Novo Emprego: Guia para Líderes e Profissionais
seloCarreira

5 Perguntas Cruciais para o Sucesso no Novo Emprego: Guia para Líderes e Profissionais

Há 10 horas

Concurso da Desenvolve SP oferece 13 vagas com salários de até R$ 7 mil; veja como participar
seloCarreira

Concurso da Desenvolve SP oferece vagas com salários de até R$ 7 mil

Há 11 horas

Shopee lança nova edição do Programa de Jovem Aprendiz
seloCarreira

Shopee lança nova edição do Programa de Jovem Aprendiz

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais