Pesquisadora de Harvard ensina uma estratégia simples para ter mais tempo

A pesquisadora criou os "dólares da felicidade" e saber administrar o tempo pode render até 36 mil "dólares" por ano

Se você tem a sensação de que nunca sobra tempo para nada, saiba que não está sozinho: 80% dos americanos afimam que falta tempo na vida deles.

Esse é um dado do estudo da pesquisadora e professora assistente na Harvard Business School Ashley Whillans. Apaixonada pela ciência por trás da felicidade, se tornou sua missão descobrir o segredo dos outros 20%.

Pesquisadores da área de psicologia positiva, como Tal Ben-Shahar, que ficou famoso como o professor da felicidade, já haviam descoberto que alguns fatores na vida ajudam a melhorar nossa satisfação — e boa parte deles envolve investir algumas horas por dia. Desfrutar de momentos com a família ou amigos e fazer trabalho voluntário proporcionam muito mais satisfação do que uma promoção ou aumento, por exemplo.

“Eu comecei a estudar como pequenas decisões sobre dinheiro e tempo afetavam nossa felicidade. E investigar a ideia de que abrir mão de dinheiro para ter tempo livre pode ter seus benefícios. É a velha pergunta: dinheiro compra felicidade?”, diz Whillans em entrevista à EXAME.

Não compra, mas o dinheiro faz parte da equação importante para equilibrar sua rotina e ser mais feliz.

Por alguns anos, Whillans e uma equipe de pesquisadores acompanharam um grupo de estudantes e analisaram suas escolhas de vida e da carreira. E elas descobriram que os indivíduos que tomavam decisões priorizando seu tempo, e não o dinheiro, eram mais satisfeitos e felizes do que aqueles que tinham as prioridades invertidas.

Na prática, as pessoas guiavam a vida com um foco maior em um propósito, buscando oportunidades que também favoreciam um equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal. Ter como prioridade a distribuição de horas no dia ou na semana ajuda a preservá-lo, como escolher um emprego mais perto de onde mora ou gastar dinheiro para se livrar de tarefas estressantes.

Mas não é só de escolhas difíceis de vida que separam os “ricos em tempo” dos outros. Nem todos podem dispensar um salário mais alto em troca de menos horas no trânsito, no entanto a professora identificou outras estratégias que ajudam a domar sua agenda e aproveitar a vida. 

A principal é que quem tem abundância de horas sabe identificar e evitar “armadilhas de tempo”. Segundo Whillans, são hábitos ruins que desenvolvemos e que interrompem outras tarefas e nosso descanso. Como checar as redes sociais e e-mails a todo momento ou ocupar cada minuto do dia. 

O principal hábito para evitar é comprometer toda a sua agenda do futuro. “A gente sempre acredita que vai ter mais tempo no futuro, mas não temos. E isso nos faz sentir mais estressados e ocupados. Temos de colocar barreiras claras em nossa agenda, nos comprometendo com nossas prioridades e o que funciona melhor para nós, sabendo dizer não para os outros”, explica ela.

A pesquisadora explica que as pequenas escolhas somam em ganhos enormes para nosso bem-estar ao controlar o estresse de estar sempre atarefado.

“O dinheiro é uma medida para muitos elementos que vemos como sucesso. Quando começamos a priorizar o tempo, ficamos mais felizes. Mas priorizamos o dinheiro, que é mais fácil de escolher como meio para alcançar essa felicidade”, afirma ela.

Para mudar a forma como pensamos, ela decidiu traduzir em dólares o ganho que teríamos em felicidade ao ano ao fazer escolhar eficientes para nossa agenda, criando o conceito dos “dólares da felicidade”.

A cada atividade que equilibra sua agenda, baseada em hábitos dos “ricos em tempo”, confira os ganhos ao longo do ano:

  • Priorizar tempo sobre dinheiro – US$ 2.200
  • Tirar férias – US$ 4.000
  • Mais tempo aproveitando a comida do que escolhendo o que comer – US$ 1.800
  • 30 minutos por dia socializando ativamente – US$ 3.600
  • Gastando dinheiro para terceirizar tarefas que não gosta – US$ 12.800 (após considerar gasto de US$ 5.200)
  • Fazendo listas de tarefas para realizar em curtos períodos livres do dia – US$ 3.100

O ganho total soma 36.000 “dólares” por ano. No entanto, ela alerta em sua palestra no TEDx Cambridge, onde apresentou o conceito, que usar o tempo economizado para trabalhar mais (e ganhar mais) pode te deixar no prejuízo: é um gasto emocional de 60.000 dólares!

Para resumir seus aprendizados, a professora está lançando o livro Time Smart: How to Reclaim Your Time and Live a Happier Life. “Quero empoderar as pessoas para que lutem contra as influências e pressões externas”, conta ela.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.