Acompanhe:
seloCarreira

Não perca grana nas redes sociais

Cada vez mais gente tem aberto lojas virtuais no Facebook e no Orkut. Saiba como não cair numa roubada na hora de ir às compras

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Social commerce é uma boa forma de chegar aos clientes, mas exige alguns cuidados
 (Getty Images)

Social commerce é uma boa forma de chegar aos clientes, mas exige alguns cuidados (Getty Images)

B
Bárbara Ladeia

Publicado em 14 de março de 2013 às, 15h46.

São Paulo - Imagine-se entrando em um shopping center onde todas as vitrines lhe agradam: as roupas expostas têm suas cores prediletas e os eletrônicos têm todas as funcionalidades que você precisa. A situação pode ser um sonho para os consumistas e um verdadeiro pesadelo para quem luta diariamente pelo autocontrole.

Gostando ou não, isso já é uma realidade. Trata-se do chamado social commerce, uma espécie de filhote do comércio eletrônico tradicional. Com lojas virtuais espalhadas dentro das redes sociais, e montadas pelos usuários, as marcas conseguem capturar suas preferências, identificar seus gostos e oferecem opções exclusivas, usando sua rede de contatos.

O objetivo é usufruir do volume monumental de informações disponíveis, de forma a dar um tiro mais certeiro no bolso do consumidor — e aumentar as possibilidades de compra por impulso. Isso porque um estudo realizado pela Oh! Panel, empresa de pesquisa especializada no mercado digital, consultou 1.258 brasileiros e concluiu que seis de cada dez entrevistados consultam as redes sociais antes de pôr a mão no bolso. A média mundial é de 58,4%. 

De olho nesse comportamento do consumidor brasileiro, as grandes varejistas têm oferecido incentivos para que os usuários de redes sociais, como Orkut e Facebook, criem lojas virtuais com produtos que costumam comprar nas lojas físicas. Há cinco meses o Magazine Luiza lançou o aplicativo Magazine Você.

Com ele, pessoas comuns criam vitrines de produtos da loja. As compras realizadas em cada uma dessas "filiais virtuais" rendem comissão para o administrador da loja — até 7% do valor do produto. Os trâmites — e os problemas — logísticos são de responsabilidade da varejista. A inspiração, segundo Frederico Trajano, diretor executivo de vendas e marketing do Magazine Luiza, veio das vendas diretas.


"Associamos nosso interesse ao fenômeno das vendas sociais." São 47.000 lojas virtuais abertas, mas a empresa não divulga o número de filiais ativas. "A maior parte dos lojistas vende para amigos. Estamos de olho no microcosmo de cada cliente", diz Frederico. 

Em uma iniciativa menos sofisticada, o Mercado Livre também vem buscando usar o poder de influência dos seus usuários. Além do botão de recomendação em cada oferta, a empresa agora conta com o Mercado Shops — ferramenta para criação e gestão de lojas dentro do Facebook.

"Hoje a recomendação de um amigo é mais relevante do que o conselho de especialistas." Para quem compra, a vantagem é que os itens oferecidos na vitrine digital passam por uma espécie de curadoria, subsidiada pelo histórico de cliques na rede. Porém, o advogado Guilherme Varella, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), alerta que é fundamental conferir a experiência dos amigos antes de comprar.

"As recomendações podem estar sendo manipuladas", diz. Exemplo disso é quando uma loja anuncia uma promoção que requer o compartilhamento como critério para participação. 

Outro projeto, o Meu Shopping,  plataforma que reúne diversas marcas, ultrapassa os 100.000 usuários, dos quais 30% estiveram ativos no último mês. Apesar da incipiência do mercado, restam poucas dúvidas do potencial do comércio eletrônico no país. Segundo o T-Index, o Brasil passará ao quarto lugar entre os maiores mercados virtuais do mundo, passando Reino Unido, Alemanha e França. O índice projeta os números combinando a população da internet de cada país com o seu respectivo PIB per capita.

Como todo mercado em expansão atrai muitos aproveitadores, vale a pena ter cautela antes de sair comprando nas redes sociais. Tecnicamente, os perigos são os mesmos do comércio eletrônico comum. Vale entender bem as regras de frete e as políticas de compras, além de conferir também se a loja tem um serviço de atendimento ao consumidor por telefone.

A maior parte dessas lojas funciona como uma espécie de vitrine, que leva o comprador, sem que ele perceba, ao sistema de comércio eletrônico comum. Segundo Tatiana Albuquerque, diretora-presidente da E-Like, desenvolvedora especializada em lojas em redes sociais, o brasileiro está começando a criar a cultura de compras por plataformas sociais. "É um segmento novo e estamos na curva de aprendizado", diz. Para não aprender do pior jeito, tome alguns cuidados antes de fechar a compra. 

Últimas Notícias

Ver mais
Nubank aumenta aposta e aporta US$ 100 milhões na operação do México
Exame IN

Nubank aumenta aposta e aporta US$ 100 milhões na operação do México

Há 4 horas

Depois de investir R$ 7 bilhões no Brasil, a chinesa Kwai tem novos planos para o país
Tecnologia

Depois de investir R$ 7 bilhões no Brasil, a chinesa Kwai tem novos planos para o país

Há 6 horas

Os três motivos que levam à inadimplência no Brasil, segundo o Google
seloMinhas Finanças

Os três motivos que levam à inadimplência no Brasil, segundo o Google

Há 10 horas

Justiça nega responsabilidade de Zuckerberg em suposto vício de crianças em redes
Tecnologia

Justiça nega responsabilidade de Zuckerberg em suposto vício de crianças em redes

Há 11 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais