Acompanhe:
seloCarreira

Mulher vira diretora da Poli-USP pela 1ª vez na história

Ao longo de 124 anos de história, a Politécnica só foi chefiada por homens. No Dia Internacional da Mulher, a instituição anunciou uma mudança histórica

Modo escuro

Continua após a publicidade
Liedi Bernucci, primeira mulher que se tornará diretora da Poli-USP (Assessoria de Comunicação/Poli-SP/Divulgação)

Liedi Bernucci, primeira mulher que se tornará diretora da Poli-USP (Assessoria de Comunicação/Poli-SP/Divulgação)

C
Claudia Gasparini

Publicado em 8 de março de 2018 às, 11h40.

Última atualização em 8 de março de 2018 às, 13h50.

São Paulo — A Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo) anunciou que terá uma mulher no cargo de diretoria pela primeira vez em toda a sua história. A tradicional escola de engenharia foi chefiada por homens durante 124 anos.

A nova diretora da instituição será Liedi Légi Bariani Bernucci, professora do Departamento de Engenharia de Transportes (PTR), que ocupava a vice-diretoria da Poli desde 2014.O novo vice-diretor será Reinaldo Giudici, professor do Departamento de Engenharia Química (PQI). 

A homologação da chapa pelo reitor da universidade será feita nesta quinta-feira (8), Dia Internacional da MulherSegundo nota oficial da Poli, Bernucci e Giudici foram eleitos nesta quarta-feira (7) com 200 votos de 217 votos válidos.

A professora se formou em engenharia civil na USP  em 1981 e concluiu seu mestrado em engenharia geotécnica na mesma instituição em 1987.

Entre 1984 e 1986, desenvolveu parte de sua pesquisa no ETHZ (Institut Fuer Grundbau und Bodenmechanik - Eidgenoessische Technische Hochschule Zürich), na Suíça, onde também fez um doutorado-sanduíche.

Após chefiar o departamento de engenharia de transportes, Bernucci assumiu a docência na Poli em 1986 e também foi a primeira mulher a ocupar a vice-diretoria da instituição. Desde 1995, também é coordenadora do Laboratório de Tecnologia de Pavimentação (LTP).

Sua vida em uma instituição conhecida pela predominância dos homens não foi livre de machismo. Em entrevista à "Folha de S. Paulo", Bernucci conta que, quando era estudante, ouviu de um professor da Poli que “mulher não deveria entrar na engenharia, porque o que elas querem é casar e acabam roubando a vaga de um homem”.

Quando a engenheira entrou na universidade, as mulheres eram apenas 5% dos alunos de graduação; hoje são 20%. “Sei que parece pouco, mas não é", diz à Folha "Tenho muito orgulho desse número".

 

Últimas Notícias

Ver mais
G20, energia e Mês das Mulheres: quais temas movimentam o ESG nesta semana
ESG

G20, energia e Mês das Mulheres: quais temas movimentam o ESG nesta semana

Há um dia

Que horas, como, para onde elas voltam: lideranças femininas falam sobre carreira e equidade
ESG

Que horas, como, para onde elas voltam: lideranças femininas falam sobre carreira e equidade

Há 2 dias

Março tem feriado? Confira as datas comemorativas e feriados do mês em 2024
Pop

Março tem feriado? Confira as datas comemorativas e feriados do mês em 2024

Há 2 dias

Miriam Belchior relembra trajetória e enaltece vocação para a vida política
Um conteúdo Esfera Brasil

Miriam Belchior relembra trajetória e enaltece vocação para a vida política

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais