Generosidade de Wall Street com colaboradores recua na pandemia

Apesar dos bons resultados em 2020, bancos de Wall Street estão cautelosos na concessão de bônus aos funcionários por temer gastos extras no governo Biden

Sob uma enxurrada de pedidos de clientes e muitas vezes trabalhando em casa, o quadro de pessoal do Goldman Sachs gerou 15% a mais de receita por funcionário durante o tumulto que foi 2020. Mas o ano terminou e o banco gastou, na média, apenas 2% a mais por cabeça.

No braço de banco de investimentos JPMorgan Chase, a receita por funcionário aumentou 22% e a remuneração cresceu só 1%. Durante meses, esta pergunta pairou sobre o setor: Como os bancos de investimento iriam compensar profissionais que trouxeram uma bolada durante uma pandemia que espalhou sofrimento e agravou a disparidade econômica?

Durante meses, esta pergunta pairou sobre o setor: Como os bancos de investimento iriam compensar profissionais que trouxeram uma bolada durante uma pandemia que espalhou sofrimento e agravou a disparidade econômica?

A resposta, de modo geral, é que a compensação não seria tão pródiga. Poucos dos grandes bancos americanos divulgam dados de compensação dos que atuam em Wall Street, mas estes dados revelaram notável restrição. Os números gerais dos grandes bancos sugerem tendência semelhante.

O movimento não surpreende. Demonstrações financeiras apresentadas nos últimos dias ressaltaram mais uma vez o duro impacto sobre outras linhas de negócios em 2020, como empréstimos, que exigiram dezenas de bilhões de dólares dos bancos para cobrir créditos de recebimento duvidoso.

Apesar da aceleração das atividades em Wall Street, a receita total dos seis gigantes do setor bancário do país oscilou pouco no ano passado e o grupo aumentou a remuneração média por funcionário em apenas US$ 271.

Agora, estas mesmas instituições se preparam para tempos mais difíceis em Washington, onde os democratas — tradicionalmente céticos em relação aos generosos holerites do setor financeiro — estão em ascensão.

Há indícios de que o setor enfrentará maior rigor e regulamentação, incluindo as escolhas do presidente Joe Biden para liderar a Comissão de Valores Mobiliários (Gary Gensler) e o Escritório de Proteção Financeira ao Consumidor (Rohit Chopra) e seu foco na desigualdade social.

A troca da guarda pode incentivar parlamentares e outros críticos que pretendem aumentar a publicação de dados sobre os salários pagos pelo setor, restringir os pagamentos dos diretores executivos e os bônus que podem estimular a tomada de riscos.

Grandes pagamentos neste momento “não pegam bem”, disse Mayra Rodriguez Valladares, que já foi analista no escritório regional do Federal Reserve em Nova York e hoje treina banqueiros e reguladores em sua firma de consultoria MRV Associates. “Quanto maior a compensação dos grandes credores, dos grandes operadores, mais riscos eles assumem”, o que atrairia críticas, segundo ela.

De fato, o Citigroup decidiu cortar os bônus de dezenas de seus principais executivos após ter sido repreendido por autoridades reguladoras no ano passado, conforme informado esta semana por uma pessoa com conhecimento do assunto.

O pagamento por funcionário permite avaliar as tendências de remuneração ajustando para variações no quadro de pessoal. Os cálculos desta reportagem se basearam nos números de funcionários ao final do ano.

Contudo, os dados são médias que não refletem como os bancos compensam colaboradores que geram grandes ganhos e ainda podem embolsar bônus de milhões de dólares. Não raramente, executivos experientes privam alguns subordinados de aumentos para bancar bônus generosos para funcionários de desempenho superior ou que podem ser atraídos pela concorrência.

A Lei Dodd-Frank de 2010 pavimentou o caminho para uma regulamentação mais pesada da remuneração de executivos. Mas várias de suas regras-chave nunca foram totalmente adotadas.

A proibição de acordos de pagamento com base em incentivos que podem encorajar a tomada de risco inadequada por banqueiros ainda não foi finalizada. E embora alguns grandes bancos tenham voluntariamente instituído cláusulas de recuperação desde a crise de 2008, poucos as usaram.

Rodriguez Valladares espera que os legisladores prestem mais atenção às diferenças salariais entre executivos seniores e funcionários nos escalões inferiores.“Onde os legisladores podem desempenhar um papel muito bom é dizer: ‘Bem, espere, você está recebendo 100 vezes mais do que seu caixa, por que isso?’”, Disse ela. “’E você está pagando mal a essas pessoas, então pague-lhes mais.’”

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.