• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Fisioterapeuta: conheça a profissão que cresceu 725% na pandemia

E a demanda pelos profissionais deve continuar no futuro, segundo a coordenadora do curso de graduação de Fisioterapia do Albert Einstein
 (Exame/Germano Lüders)
(Exame/Germano Lüders)
Por Luísa GranatoPublicado em 29/03/2021 10:37 | Última atualização em 29/03/2021 10:37Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Com a pandemia, a busca por profissionais da saúde teve um crescimento de até 725% em relação com 2019, segundo dados de vagas da Catho. E um tipo de profissional mais se destacou na área: o fisioterapeuta.

A pandemia mostrou que a inovação será cada dia mais decisiva para seu negócio. Encurte caminhos, e vá direto ao ponto com o curso Inovação na Prática

No último ano, a procura por fisioterapeuta hospitalar e respiratório subiu 725% e 716%, respectivamente. De acordo com Karina Timenetsky, coordenadora do curso de graduação de Fisioterapia da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, a profissão deve continuar em alta mesmo após a pandemia.

No relatório do início de 2020 do Fórum Econômico Mundial, a terapia física e a terapia respiratória foram indicadas como carreiras promissoras no futuro.

“Antes da pandemia, havia um aumento na demanda considerando o envelhecimento da população. Na busca por prevenção ou promoção de saúde, e na prática de atividades físicas por si só, houve um aumento da procura pelos profissionais. Mesmo após a pandemia, ainda teremos um crescimento da profissão”, comenta a coordenadora.

Por esse motivo, a instituição de ensino ligada ao hospital Albert Einstein está abrindo pela primeira uma turma de graduação da área. Antes a faculdade oferecia especializações na pós-graduação, mas atualizou sua grade para acompanhar a demanda pela formação.

Além disso, o papel do fisioterapeuta sempre foi visto como limitado ao auxílio de atletas e na recuperação física. Porém a pandemia tornou evidente a pluralidade de serviços essenciais de saúde que esse especialista pode prestar.

“O fisioterapeuta pode atender diversas áreas, desde a clínica, onde entra a esportiva, ortopedia, neurologia, cardiorrespiratória e uroginecologia, até o que as pessoas menos conhecem, como o atendimento de saúde da família dentro do SUS. Eles também atuam na saúde do trabalhador, com ergonomia e evitando lesões relacionadas ao trabalho”, explica Timenetsky.

E a atuação que ficou mais em evidência com a crise da covid-19, uma doença que afeta o sistema respiratório, foi no ambiente hospitalar: o fisioterapeuta pode auxiliar tanto o pronto atendimento quanto na recuperação de pacientes.

“Tem uma diversidade de áreas para ajudar. Atender na porta de entrada do hospital pode parecer inusitado para muitas pessoas, mas cresceu muito o suporte da parte respiratória na entrada de pacientes. Eles podem agir em caso de paradas cardíacas ou em cirurgias. Na recuperação, eles atuam com a ortopedia, reabilitação ou pacientes neurológicos”, diz.

Para entrar na profissão, a coordenadora fala que com a graduação de cinco anos já é possível atuar em quase todas as frentes como generalista. E a pós-graduação pode servir depois para avançar em áreas específicas ou seguir carreira na área acadêmica.

“Para quem quiser atuar na área administrativa e em empresas, existe MBA na área. E na nossa graduação já temos disciplinas para trazer ao aluno uma visão de gestão”, conta ela.

Para entrar no novo curso de graduação, os candidatos podem fazer o vestibular da faculdade ou utilizar a nota do ENEM. A mensalidade para 2022 será de R$ 2.074,00 (em 12 parcelas por ano). Serão 60 vagas para cada turma e os estudantes têm a opção de bolsas de estudo com o programa de monitoria remunerada.

Segundo a coordenadora, o curso foi pensando já com inovações no currículo como a metodologia de aprendizado em grupo (Team Based Learning) e o desenvolvimento de habilidades socioemocionais com atividades no Centro de Simulação Realística e estudo de casos, incluindo os de Covid-19.

“Um dos diferenciais que vamos trazer aos alunos é criar uma visão crítica da literatura científica desde o início. Também queremos estimular o aluno a pensar em inovação para que eles tenham um olhar para criar formas diferentes de melhorar o atendimento do paciente ou pensar em equipamentos para aprimorar a reabilitação, por exemplo”, comenta ela.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.