A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Transfeera diminui em 94% custos de transação bancária para marketplaces

Mesmo com a chegada do Pix, é possível ser ainda mais competitiva e ajudar a impulsionar o setor, aponta levantamento

Pesquisa realizada pela Transfeera, fintech de gestão e processamento de pagamentos, cobrança e validação de dados bancários para empresas, aponta uma economia superior a 90% em taxas de transações bancárias entre clientes que usam a solução da startup. O dado faz parte de um levantamento interno da empresa, realizado entre fevereiro de 2020 e setembro de 2021. Hoje, a fintech já atende mais de 45 marketplaces e pretende expandir a atuação no ramo.

Criada para combater os altos valores de taxação praticados pelos bancos tradicionais, a Transfeera oferece um melhor custo benefício para empresas que transacionam altos volumes e fazem pagamentos em lote.

“Surgimos justamente da necessidade do mercado em combater as altas taxas de TED e DOCs. Para empresas com muitas transações, como o segmento de marketplace que cresceu muito nos últimos dois anos, essas taxações sempre trouxeram um custo elevado para as operações”, afirma Fernando Nunes, diretor comercial da Transfeera.

De acordo com os valores regulamentados pelo Banco Central, para a realização de um TED o custo é cerca de R$ 11, podendo ser negociado de acordo com o porte do marketplace. Já na Transfeera, o valor por transação feita pela plataforma fica em média entre R$ 0,85 e R$ 0,30, a depender da quantidade de pagamentos.

Desde o início da pandemia, este mercado avançou rapidamente e, segundo a sétima edição da pesquisa “Perfil do E-Commerce Brasileiro”, realizada pelo PayPal Brasil e a BigDataCorp, o país já conta com mais de um milhão e meio de lojas online, representando um crescimento de 22,05%.

Diante desse cenário, a busca por soluções que gerem mais economia é um fator decisivo para o segmento seguir operando com saúde financeira.

O estudo interno realizado pela startup também revelou um aumento de 1.271% na quantidade de pagamentos desde o início de 2020, considerando as modalidades TED, DOC e via Pix, a partir deste ano.

Ou seja, mesmo após a chegada do novo método de pagamentos do Banco Central, a plataforma segue como opção mais adequada para a necessidade de gestão financeira do mercado de marketplaces. A tecnologia da fintech consegue diminuir em mais de 50% o custo individual de cada transação (Pix), uma vez que define os valores a serem cobrados, de acordo com a quantidade contratada pelo cliente.

“A solução que nós criamos foi proporcionada pelo avanço das tecnologias digitais, capitaneados por novos recursos e do uso cada vez maior da internet como principal meio de comunicação. Hoje, praticamente todos os serviços foram adaptados para serem executados de forma menos presencial possível, e empresas exclusivamente digitais estão ocupando esse espaço criado a partir do desenvolvimento dessas novas tecnologias”, diz Fernando.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedIn | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também